http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/issue/feed Vivências 2022-06-15T14:45:17+00:00 Revista Vivências vivencias@reitoria.uri.br Open Journal Systems <p><strong>FOCO E ESCOPO</strong></p> <p>A <em>Revista Eletrônica Vivências</em> tem por objetivo a difusão de estudos, pesquisas e artigos no campo das áreas de conhecimento do CNPq e áreas temáticas da extensão universitária, no sentido de promover a produção e a sistematização do conhecimento e a democratização do saber.</p> <p>As edições anteriores ao número 28 encontram-se disponíveis e podem ser acessadas no seguinte link: <a href="http://www2.reitoria.uri.br/~vivencias/index.html">http://www2.reitoria.uri.br/~vivencias/index.html</a></p> <p style="margin: 0cm;">Estratos Qualis CAPES - Quadriênio 2013-2016</p> <p style="margin: 0cm;">B2 - Ensino</p> <p style="margin: 0cm;">B4 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo; Educação Física; Interdisciplinar; Planejamento Urbano e Regional / Demografia; Serviço Social</p> <p style="margin: 0cm;">B5 - História; Saúde Coletiva; Ciências Agrárias I; Educação</p> http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/840 EDITORIAL 2022-06-15T13:33:05+00:00 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/719 EXTENSÃO DA EVIDENCIAÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL 2021-12-06T12:37:44+00:00 Tiago Velasque Nunes tiago.nunes77@hotmail.com Rosane Maria Seibert rseibert@san.uri.br <p>Este artigo tem o objetivo de identificar os fatores determinantes da extensão da evidenciação de informações representativas de responsabilidade social das Instituições de Ensino Superior Filantrópicas (IESFs). Nas páginas de internet de cada organização foi possível identificar a presença de indicadores, com isso gerou-se um índice de divulgação de responsabilidade social, que serviu de base para os modelos econométricos criados para a regressão linear. Os resultados apoiam a legitimidade como base teórica para a extensão da evidenciação da responsabilidade social. Os indicadores evidenciados e as hipóteses não rejeitadas: complexidade, diversificação, fator regional, evento especifico e qualidade na estrutura de governança, confirmam preocupação com a transparência e a <em>accountability</em> do contrato social existente entre as IESF e a comunidade onde se inserem. A relevância deste estudo está na contribuição com as próprias IESFs que podem estabelecer políticas de evidenciação que atendam aos interesses de seus stakeholders e facilitem o seu processo de legitimação. Esta pesquisa se limitou a identificar os determinantes da extensão da evidenciação da responsabilidade social das IESFs, em suas páginas de Internet, à luz da teoria da legitimidade. Visto as limitações apresentadas ficam lacunas a serem preenchidas por pesquisas futuras abordando diferentes tipos de organizações, de informações, além da responsabilidade social, utilizando-se como base fundamentos de outras teorias, com análise de stakeholders primários e secundários, bem como em outros canais de comunicação e outros países, que possibilitem comparações de resultados.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/666 A RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E O DESEMPENHO SOCIAL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS 2021-10-06T19:36:33+00:00 Ronaldo Leão de Miranda ronaldo_leaomiranda@hotmail.com Iara Regina dos Santos Parisotto iaraparisotto@furb.br <p>As partes interessadas exercem pressões por ações de responsabilidade social corporativa para com a sociedade, ambiente natural, gerações futuras, ONGs, funcionários, clientes e governo. Por outro lado, as organizações respondem às demandas sociais mantendo um local de trabalho saudável e seguro, respeitando os direitos humanos, considerando o impacto do negócio na comunidade local, e cuidando do impacto de seus produtos e serviços na saúde e segurança de seus clientes. Com o olhar para as práticas de RSC e para o desempenho social, este estudo tem por objetivo compreender as práticas de responsabilidade social corporativa e os resultados de desempenho social que as empresas listadas na B3 possuem para o ano de 2020. A pesquisa caracteriza-se como descritiva em relação a seu objetivo, quanto aos procedimentos pode ser considerada como pesquisa aplicada a partir do levantamento de dados primários e quantitativa em relação à abordagem do problema. Os resultados indicam que as organizações participantes desta pesquisa estão preocupadas com a melhoria da qualidade de vida da sociedade, além de que assumiram responsabilidades que antes eram consideradas pertencentes ao governo, comprovando os comportamentos socialmente responsáveis das empresas cujo foco está dia após dia no bem-estar social das partes interessadas em seu entorno.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/630 CIRANDAS FORMATIVAS PARA O APRIMORAMENTO DE EMPREENDIMENTO ECONÔMICO SOLIDÁRIO 2022-02-14T20:11:31+00:00 Alysson André Régis Oliveira alysson.oliveira@ifpb.edu.br Allisson Silva dos Santos allissonst@hotmail.com Aline Araújo Feitosa de Oliveira alinesanttana15@gmail.com Geizyellen Oliveira Domingos ellenoliveira928@gmail.com <p>Incubação deve ser entendida como um processo prático educativo de organização e acompanhamento sistêmico a grupos de pessoas interessadas na formação de Empreendimentos Econômicos Solidários. Assim, o objetivo central deste projeto foi&nbsp;promover a consolidação de um empreendimento econômico solidário formado por habitantes do bairro Ilha do Bispo, na cidade de João Pessoa, Paraíba, por meio de atividade de extensão (prestação de serviços) baseada em uma formação econômica, política e cultural com o uso da metodologia de incubação.&nbsp;Metodologicamente, o presente trabalho possui caráter descritivo de natureza exploratória no que diz respeito à descrição das práticas do projeto de extensão e se constituiu em três etapas: a) pré-incubação – fase de conhecimento do grupo e construção; b) incubação – traduz-se como produto de síntese das abstrações levantadas na pré-incubação; c) desincubação – configura-se num movimento de constatação de que o empreendimento está sedimentado e com condições de independência suficiente de vida própria. De forma particular, a prática extensionista pautada neste estudo contribuiu na elaboração de projetos para apoiar as iniciativas que promovam a geração de renda e a manutenção de postos de trabalho que gerem políticas públicas em economia solidária. Face ao exposto, é possível concluir que, a partir desta prática extensionista, foi implantada a iniciativa de incubação de empreendimentos solidários, pretendendo acompanhar sistematicamente todo o processo de desenvolvimento do empreendimento estudado.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/562 A LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL E AS AÇÕES IMPLEMENTADAS NO ENSINO BÁSICO DO BRASIL 2022-01-12T11:37:55+00:00 João Ferreira Sobrinho Junior joffersoju07@hotmail.com Cristina de Cássia Pereira Moraes cristinadecassiapereiramoraes@gmail.com <p>Este artigo se propôs a identificar legislações nacionais orientadoras e como estas direcionaram as ações implementadas pelas redes de ensino nos primeiros dois meses (março/abril) de pandemia do COVID-19 no Brasil. Para responder a tal cenário se dispôs de pesquisa documental e bibliográfica a partir de trabalhos científicos e documentos oficiais para o levantamento, coleta e análise dos dados de forma qualitativa. E como resultado identificamos três legislações orientadoras: Portaria nº 343, de 17 de março de 2020; Medida Provisória de n° 934, de 1° de abril de 2020; e, Parecer CNE/CP Nº: 5/2020. A partir dessas orientações os entes traçaram sete estratégias pedagógicas principais para efetivamente realizarem essas aulas não presenciais: Transmissão via TV Aberta e rádio; Videoaulas gravadas e ao vivo em redes sociais; Envio de conteúdo pelas ferramentas digitais como também material impresso aos alunos; e, Uso de Plataformas de Ensino. Concluiu-se que muito embora todas as movimentações realizadas tanto no âmbito normativo quanto às próprias ações práticas implementadas pelos entes sejam válidas, a forma intempestiva na qual foi coercitivamente imposta por conta da pandemia, trouxeram dificuldades estruturais, de acesso e mesmo de utilização dos recursos digitais por alunos e professores, que podem ter acarretado um aprendizado abaixo do ideal para essas crianças/jovens, prejudicando assim o seu percurso escolar.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/730 O PISA E A INDUÇÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS 2022-01-04T13:49:35+00:00 Marina Fátima Onyszko marinaonyszko.mo@gmail.com Edite Maria Sudbrack sudbrack@uri.edu.br <p>O PISA – <em>P</em><em>rogramme for International Student</em> <em>Assessment</em> – visa medir as competências adquiridas por estudantes de quinze anos no que tange às áreas de letramento em leitura, matemática e ciências, consideradas pelo organismo como exigências do futuro profissional, bem como interpretar e publicar o conjunto de dados obtido, de modo que os Estados o tenham como ferramenta de máxima confiabilidade para alicerçar suas políticas educacionais. O Brasil integra o rol de nações que participa do PISA desde a sua primeira edição e amealha, em suas políticas educacionais, elementos da regulação supranacional operada pelo certame. Assim, o presente estudo, de natureza qualitativa e abordagem sociocrítica objetiva, por meio da análise documental, analisar os elementos discursivos presentes nas políticas educacionais, a fim de evidenciar a regulação em nível supranacional operada pelo PISA/OCDE na realidade brasileira. Para tanto, são analisados e discutidos, à luz da teoria pertinente, três documentos legais principais: a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, o Plano Nacional de Educação – PNE e a Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Conclui-se que a legislação maior da educação brasileira, por meio dos elementos discursivos nela presentes, evidencia a regulação em nível supranacional operada pelo PISA.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/776 A ABORDAGEM DA TEMÁTICA DE PALEONTOLOGIA NO ENSINO FUNDAMENTAL 2022-03-15T11:13:45+00:00 Carolina Farias da Costa carolfdacosta@gmail.com Neusa Maria John Scheid scheid.neusa@gmail.com <p>A Paleontologia é um assunto de grande importância para o Ensino de Ciências, posto que fornece informações quanto ao processo evolutivo dos seres vivos e da Terra. Deste modo, ciente da importância dessa temática para o Ensino de Ciências brasileiro, a pesquisa buscou analisar importantes documentos, como a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Referencial Curricular Gaúcho (RCG), em relação às recomendações referentes ao Ensino de Paleontologia neles contidos. Esta pesquisa, de abordagem qualitativa, utilizou para o estudo dos dados a Análise de Conteúdo a partir do referencial teórico-metodológico de Laurence Bardin. Analisando os documentos oficiais, no que se refere ao Ensino de Paleontologia, presente no 6º ano de Ensino Fundamental, é possível destacar que o Ensino dessa temática ainda está aquém do desejado. De modo geral, ambos os documentos trazem poucas noções básicas a respeito da Paleontologia. É necessário salientar que, mesmo que os conhecimentos sejam “básicos” a respeito do Ensino da Paleontologia, são de suma importância para o entendimento dessa área do conhecimento, e, uma vez que são primários, servem de base para que os demais assuntos possam ser abordados, fornecendo elementos para o prosseguimento de estudos nessa área.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/641 SABERES DA EXPERIÊNCIA NO TRABALHO DOCENTE DE PROFESSORES DE UM CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2021-12-06T17:46:02+00:00 Angelica Madela angelica.madela@unoesc.edu.br Bianca Nadaletti bianca_nadaletti@unoesc.edu.br Natacha da Silva Tavares natacha_760@hotmail.com <p>Este estudo busca apresentar reflexões acerca do objetivo de compreender as contribuições dos saberes da experiência no trabalho docente de professores do curso de graduação em Educação Física na Universidade do Oeste de Santa Catarina. O trabalho de campo foi constituído por quatro professores do curso de Educação Física da Universidade do Oeste de Santa Catarina- Campus Chapecó. O instrumento para a coleta de informações foi o questionário e a análise e interpretação seguiu a análise temática. A compreensão dos professores sobre os saberes da experiência partem de um conjunto de saberes construídos, atualizados e relacionados à profissão docente na educação superior em Educação Física, a qual pode ser reconhecida como espaço e tempo de construção de saberes da experiências, pela interação entre professores e estudantes e, por estar sempre aberta a construções e reconstruções. No trabalho docente na educação superior em Educação Física os professores produzem experiências em seu trabalho docente a partir do que já vivenciaram, perspectivando com isso, novas leituras de mundo, caminhando à construção de novos aprendizados, que ao serem interpretados transformam as experiências em saberes para o trabalho docente.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/692 ROBÓTICA EDUCATIVA 2021-11-01T13:13:15+00:00 Kelling Cabral Souto kelling.souto@ifrj.edu.br Helena Carla Castro hcastrorangel@yahoo.com.br Cristina Maria Carvalho Delou cristinadelou@id.uff.br <p>Com o advento da Educação 4.0 que&nbsp;se baseia no conceito do aprender fazendo,&nbsp;novas&nbsp;diretrizes educacionais vêm sendo encorajadas, assim como modificações no processo ensino-aprendizagem e na relação professor-aluno. Nesse contexto, o aluno passa a ser protagonista do seu próprio aprendizado e o professor o mediador de circunstâncias e ações que levem a aprendizagem do aluno, com a tecnologia naturalmente envolvida nessas etapas. A metodologia ativa, em especial STEAM, e a&nbsp;robótica educativa surgem como fortes aliados nesse processo, aproximando estudantes das tendências tecnológicas do cotidiano e da filosofia do aprender fazendo.&nbsp; Sensíveis ao discurso de que a escola precisa se adaptar as novas demandas educacionais as autoras, leigas em robótica e em eletrônica, iniciam, por meios próprios, um trabalho com robótica educativa na perspectiva da Educação 4.0, com placa Arduino. Ao longo de seis meses, uma oficina foi implementada com informações obtidas na <em>internet</em> e aplicada a dois grupos de níveis extremos de alunos, com as devidas adaptações, pré-escola (estudantes com Altas Habilidades ou Superdotação) e licenciandos em matemática, num processo de formação docente. A motivação dos alunos e as dificuldades vivenciadas pelas autoras professoras na aquisição de conhecimento mínimo para a implantação da oficina estimularam a elaboração desse guia básico e prático de robótica educativa, com placa Arduino UNO, com linguagem simples, sem preocupação com o rigor técnico e voltado a capacitação de professores, como ponto de partida para estimular a implantação de atividades de ciência e tecnologia nas escolas brasileiras e a filosofia da Educação 4.0.&nbsp;</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/773 ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E ILHAS DE RACIONALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2022-03-15T11:21:40+00:00 Lia Heberlê de Almeida Pastorio lia_ha@hotmail.com Elenize Rangel Nicoletti elenizenicoletti@unipampa.edu.br José Vicente Lima Robaína joserobaina1326@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">O presente artigo resulta de uma pesquisa de doutorado em desenvolvimento sobre Ilhas Interdisciplinares de Racionalidade no contexto da Educação Infantil. A formação continuada serve de subsídio para efetivação de mudanças no campo profissional docente. O objetivo deste trabalho é analisar e disseminar os resultados de uma oficina realizada durante uma formação docente em Práticas de Ensino interdisciplinares. Utilizou-se Análise de Conteúdo dos esquemas relacionais produzidos por 14 participantes divididos por etapas da educação básica (Educação Infantil e Ensino Fundamental). As análises evidenciaram que os Campos de Experiência (BNCC) foram envolvidos, de modo simultâneo, nas propostas levantadas pelos participantes do curso. Destaca-se que, na Educação Infantil, também é possível o trabalho com as Ilhas de Racionalidade, pois mostrou-se como estratégia facilitadora e potencializadora para um ensino de qualidade, especialmente neste momento de consolidação desta etapa (com a sua obrigatoriedade) e apreensão de uma nova política pública norteadora do processo educativo.&nbsp;</span></p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/675 VISITA TÉCNICA COMO UM INSTRUMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO CURSO DE DIREITO 2022-03-30T11:49:16+00:00 Clarissa Bueno Wandscheer clarissawand@gmail.com Mario Sergio Michaliszyn mario@up.edu.br <p>Atividades de extensão são elementos curriculares obrigatórios nos Cursos de Direito. Em 2019 foi proposta Visita Técnica na Comunidade Quilombola da Restinga, localizada no município da Lapa, Paraná, para alunos do Curso de Direito da Universidade Positivo, com o objetivo de valorizar os elementos étnico-culturais, histórico-sociais da comunidade e cumprir com as exigências curriculares dos conteúdos transversais na educação superior brasileira. O relato dessa experiência (visita técnica) procura apresentar a evolução das metodologias utilizadas no ensino jurídico da Universidade Positivo, assim, como o aperfeiçoamento das atividades de extensão da IES. A metodologia foi a observação direta, por meio de visita técnica dos discentes com a supervisão interdisciplinar de professores com formações nas áreas de antropologia, ciência política, direito e psicologia. O resultado foi a sensibilização dos alunos para questões quilombolas e um diagnóstico para subsidiar o desenvolvimento de ações da Universidade Positivo na comunidade, tendo em vista que as atividades extensionistas precisam contribuir para mudanças e/ou rupturas sociais efetivas, para o desenvolvimento de tecnologias sociais e para a formação dos estudantes.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/707 INVESTIGAÇÃO COMO PRÁTICA DE INTEGRAÇÃO E PROTAGONISMO DISCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA AO ENSINO MÉDIO 2021-12-06T17:36:28+00:00 Adolfo Jatobá Medeiros Bezerra jatobaadolfo@gmail.com Beatris Rosalina Michels beatris.michels@outlook.com Reginaldo Leandro Plácido reginaldo.placido@ifc.edu.br <p style="margin: 0cm; text-align: justify;"><span style="color: black;">O presente trabalho é um relato de experiência de uma intervenção didática que utilizou a investigação para integrar conteúdos e estimular participação dos estudantes. O público alvo foi um grupo de discentes da disciplina de Zootecnia 1, do 1º ano do curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio. Os estudantes frequentavam aulas teóricas e práticas, e participaram de um projeto de pesquisa na área de aquicultura. As atividades desenvolvidas no projeto foram realizadas no laboratório de aquicultura, tiveram duração de um trimestre letivo e se concentraram majoritariamente no período da manhã. A proposta, a partir de uma perspectiva pedagógica sociointeracionista, buscou articular as práticas profissionais e a investigação como forma de exercício de ensino e aprendizagem. Como resultado foi possível observar que a investigação, articulada às práticas profissionais integradas, pode ser uma forma de relacionar teoria e prática, permitindo trabalhar a integração de conhecimentos pretendida nos cursos técnicos integrados ao Ensino Médio.&nbsp;</span></p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/744 AÇÕES DE EXTENSÃO EM MICROSCOPIA 2022-03-15T11:23:00+00:00 Andreza Cristina de Lima andrezadelima340@gmail.com Reginaldo de Carvalho reginaldo.ufrpe@gmail.com Ieda Ferreira de Oliveira ieda.ferreira@ufrpe.br <p>Quem nunca se encantou ao ver um microscópio e imaginar o universo por ele desvelado? A criação desse instrumento possibilitou a elaboração de teorias que até hoje são fundamentais para a Biologia. Porém, devido a diversas limitações, a experiência da maioria dos estudantes no Ensino Básico com esse instrumento não é satisfatória. Consequentemente, o interesse por atividades científicas é afetado negativamente, necessitando de ações que as estimulem. Visando popularizar a Ciência e fortalecer o conhecimento sobre microscopia, foram realizadas atividades de extensão junto a estudantes do Ensino Fundamental e do Ensino Médio de uma escola pública estadual localizada em Camaragibe (Pernambuco). A ação educativa consistiu na realização de: a) resgate dos conhecimentos prévios; b) palestra interativa utilizando modelos de microscópio óptico e digital; c) oficina sobre manipulação de microscópio óptico e confecção de um modelo de microscópio artesanal; d) discussão e socialização do conhecimento. No geral, as estratégias pedagógicas utilizando a microscopia tornaram o conteúdo aprendido mais interessante e significativo, despertando o lado lúdico, criativo, curioso, reflexivo e investigativo do público. Não apenas contribuíram na ampliação do conhecimento sobre microscopia e auxiliaram nos ajustes das concepções alternativas, mas permitiram o desenvolvimento de habilidades científicas adicionais, tão necessárias à mobilização de competências educacionais.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Competências. Ensino de Ciências. Microscópio. Trilha de aprendizagem.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/727 MAPEANDO ESTUDOS SOBRE AÇÕES PEDAGÓGICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE 2022-01-04T13:43:37+00:00 Rosa Maria de Paula rosa.paula@setrem.com.br Eliane Gonçalves dos Santos eliane.santos@uffs.edu.br <p>A Educação Permanente em Saúde (EPS) é uma importante prática pedagógica realizada nas organizações clínicas e hospitalares brasileiras para aperfeiçoar e capacitar seus colaboradores. Definir quais as metodologias e técnicas utilizadas para a escolha das ações pedagógicas, contudo, é um desafio, pois existem diversas possibilidades e não há uma legislação específica para qual prática adotar; assim, a decisão fica a cargo das instituições. Este artigo realiza uma contextualização do tema por meio de revisão bibliográfica, catalogação das metodologias e técnicas empregadas para definir as ações pedagógicas em dissertações e teses selecionadas na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações entre os anos de 2004 e 2020. Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo, em que se identificou duas metodologias para a escolha dos temas, que são o tema definido e o tema livre, e três técnicas para o auxílio das tomadas de decisão: rodas de conversa, questionários semiestruturados e questionários estruturados. O grande desafio das organizações de saúde é definir metodologias e técnicas de ações pedagógicas tendo como base as necessidades institucionais. Conclui-se que o uso de estratégias e dinâmicas de grupo que envolvam a interdisciplinaridade e a participação efetiva dos agentes de saúde na formação, visando à qualificação do atendimento e cuidados com as normas instituídas, são modelos que podem favorecer a EPS.</p> <p> </p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/429 FONTES ALTERNATIVAS DE ADUBAÇÃO NA CULTURA DA SOJA 2021-04-27T18:40:57+00:00 Thomas Newton Martin martin.ufsm@gmail.com Aricia Ritter Corrêa ariciaritter18@gmail.com Rodrigo Luiz Ludwig rodrigo.ludwig@ibiruba.ifrs.edu.br Rosana Taschetto Vey rosanatv2103@yahoo.com.br <p>A sustentabilidade da produção de soja (<em>Glycine max</em> (L.) Merrill.) deve obrigatoriamente considerar a utilização de insumos alternativos, que reduzam o custo de produção e sejam sustentáveis do ponto de vista ambiental. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi comparar duas formulações de adubação organomineral com adubação mineral, em três cultivares de soja. Objetivou-se também determinar a melhor dose de adubação organomineral para três cultivares de soja. Foram realizados dois experimentos distintos, ambos utilizando três cultivares de soja, de grupo de maturação distinto, submetidas a tipos de adubos (experimento 1) e a doses de adubo organomineral (experimento 2). Os experimentos foram realizados em blocos ao acaso com quatro repetições, sendo avaliados, massa seca de plantas, número de nódulos e componentes de produtividade da soja. O organomineral SQ/CP possui resposta intermediária em relação à adubação mineral, não diferindo do organomineral JN1, sendo superior a testemunha. No primeiro experimento não se observou interação entre adubos e cultivares para produtividade. O fertilizante mineral não diferiu do organomineral JN1, sendo ambos superiores à testemunha. No segundo experimento houve interação entre as doses e cultivares para a variável produtividade, em que a cultivar Nidera 7321 respondeu a até duas vezes a recomendação do organomineral SQ/CP.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/503 CLETHODIM E TRICLOPIR EM ASSOCIAÇÃO NO CONTROLE DE MILHO VOLUNTÁRIO RESISTENTE AO GLYPHOSATE 2021-10-19T11:50:50+00:00 Nilton Teixeira Pedrollo pedrollo_agronomia@hotmail.com Mariane Peripolli mperipolli@gmail.com Jéssica Cezar Cassol jessicacassol@agronoma.eng.br Sylvio Henrique Bidel Dornelles sylviobidel@gmail.com <p>Os herbicidas inibidores da ACCase vêm sendo empregados no controle de milho voluntário resistente ao glifosato, muitas vezes associados à mimetizadores de auxinas. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito das associações entre herbicidas inibidores de ACCase e mimetizadores de auxinas no controle de milho resistente ao glifosato. O delineamento experimental foi de blocos casualizados com nove tratamentos e quatro repetições, sendo os tratamentos: T1 testemunha; T2 clethodim + 2,4-D amina (120 + 1209 i.a.); T3 clethodim + triclopir (120 + 720 i.a); T4 haloxifop-methyl + 2,4-D amina (60 +1209 i.a); T5 haloxifop-methyl + triclopir (60 + 720 i.a); T6 2,4-D amina (1209 i.a); T7 triclopir (720 i.a); T8 clethodim (120 i.a.) e T9 haloxifop-methyl (60 i.a.). A semeadura do milho voluntário ocorreu de maneira artificial, utilizando a cultivar 30B39HR. A aplicação dos tratamentos ocorreu com o auxílio de um pulverizador pressurizado Co<sub>2</sub> no estágio V5 das plantas. Foram realizadas avaliações de controle visual aos 7, 14 e 21 dias após a aplicação e, também, estimou-se a correlação entre as avaliações, o efeito esperado e observado das misturas de herbicidas. Observou-se que a associação de haloxifop-methyl e 2,4-D amina apresentou antagonismo nas doses testadas para controle de milho resistente ao glifosato. A associação clethodim + triclopir (120 + 720 i.a.) apresentou o melhor resultado de controle do milho voluntário, cultivar 30B39HR, e atingiu valores superiores ao controle esperado. Portanto, a associação de herbicidas pode ser uma ferramenta no controle de milho voluntário resistente ao glifosato.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/571 PROTETOR DE SEMENTES, PERÍODOS DE ARMAZENAMENTO E EMERGÊNCIA DE ARROZ IRRIGADO 2021-08-11T17:21:58+00:00 Fernando Sintra Fulaneti fernando.sintrafulaneti@gmail.com Matheus Martins Ferreira math.ferreira10@yahoo.com.br Francieli de Lima Tartaglia francielitartaglia@gmail.com Amauri Nelson Beutler amaurib@yahoo.com.br <p>O objetivo da pesquisa foi avaliar a influência do protetor, tratamento químico com fungicida e inseticida e períodos de armazenamento de sementes das cultivares de arroz irrigado IRGA 424 RI e BR IRGA 409, na germinação e emergência. Para cada cultivar, o delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 5, com quatro repetições. Os três tratamentos foram: 1- fungicida + inseticida + protetor de sementes; 2- fungicida + inseticida; 3- sem tratamento de sementes. Os cinco períodos de armazenamento foram: 0, 5, 15, 30 e 60 dias, antes de realizar o teste de germinação das sementes em laboratório e emergência no campo. Em laboratório, avaliou-se também o número de plantas normais, anormais, comprimento de raiz e parte aérea para a cultivar IRGA 424 RI. O tempo de armazenamento das sementes influenciou a germinação de sementes em laboratório, porém, a porcentagem de germinação se manteve acima de 82,5%. Os tratamentos de sementes promovem maior emergência de plântulas e o tempo de armazenamento de até 60 dias não alterou a emergência no campo, nas duas cultivares. A utilização do protetor de sementes não alterou o estabelecimento inicial de plântulas no campo, nas duas cultivares.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/507 ELABORAÇÃO DE PRODUTOS ADICIONADOS DE CASCA DE BERINJELA EM OFICINAS DE CULINÁRIA 2022-04-07T19:40:47+00:00 Luana Aparecida Padilha da Luz luanapaadilha@gmail.com Mariana Biava de Menezes marybiavamenezes@hotmail.com Elisvânia Freitas dos Santos elisvania@gmail.com Daiana Novello nutridai@hotmail.com <p><audio class="audio-for-speech"></audio></p> <div class="translate-tooltip-mtz hidden"> <div class="header"> <div class="translate-icons">O objetivo da pesquisa foi desenvolver oficinas de culinária com crianças utilizando casca de berinjela como ingrediente em produtos alimentícios. Também, avaliar a aceitabilidade sensorial dos produtos e sua composição físico-química. Participaram da pesquisa 63 escolares, com idade entre 7 e 10 anos. Foram elaborados quatro produtos nas oficinas de culinária: brigadeiro, <em>brownie</em>, patê e panqueca. Todas as preparações apresentaram elevados Índices de Aceitabilidade (&gt; 70%). O <em>brownie</em> apresentou menor teor de umidade e maior de cinzas, lipídeo, carboidrato e energia. Maior conteúdo de umidade foi observado para o patê e para o brigadeiro (p&gt;0,05), contudo o patê teve a maior concentração de proteína e menor de cinzas, carboidrato e fibra. O brigadeiro foi o produto com o maior conteúdo de fibra e menores de proteína, lipídeo e valor calórico total. Conclui-se que a utilização de oficina de culinária para elaboração de produtos alimentícios com adição de casca de berinjela é uma estratégia educativa eficaz, garantindo uma boa aceitabilidade por crianças em idade escolar e melhorando o perfil nutricional dos produtos.</div> </div> </div> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/559 AROMATIC PLANTS AND ESSENTIAL OILS USED DURING LABOR WITH NOCICEPTIVE AND ANXIOLYTIC POTENTIAL 2021-08-12T17:16:12+00:00 Kamila Martins da Cruz kamila.obstetricia@gmail.com Rosemary Matias rosematiasc@gmail.com Silvia Cristina Heredia-Vieira silviacristina_85@hotmail.com Carla Letícia Gediel Rivero-Wendt leticiagediel@gmail.com <p>Aromatherapy is a practice applied in different sectors such as post-operative care, pain treatment and anxiety reduction. However, in Brazil, the legislation allows the use of aromatherapy by nurses since 2018, but the use of essential oils during labor is not regulated. The aim of the study was to analyze the records of the benefits of using aromatherapy during labor and the chemical components of aromatic plants that contribute to the reducing pain, duration of contractions, anxiety and stress effects resulting from childbirth. The integrative review carried out in the Scopus, MEDLINE / PubMed and Science Direct databases specified between 2010 and 2020, in Portuguese, English and Spanish. The PICo methodology (Population, Interest and Context) was used to construct the research question and select controlled and uncontrolled descriptors, which were combined with the Boolean operators "AND", "OR" and "NOT". 17 articles were selected using aromatherapy during labor, individually or in conjunction with other therapies. The most used essential oil was <em>Lavandula officinalis</em> (53%), and the effects were related to the decrease in the pain of contractions and childbirth, followed by <em>Rosa x damascena</em> oil (23.5%), although the effect of the plant is more related to the reduction in the parturient’s anxiety and stress. Aromatherapy acts both on the physiological aspects of women in labor and on their subjectivity. Chemical evidence supports the relationship between the major compounds present in the essential oils of the aromatic plants used in the study and the beneficial effects of aromatherapy in labor.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/620 CRESCIMENTO E FITOQUÍMICA DAS FOLHAS DE BASELLA ALBA, UMA OLERÍCOLA NÃO-CONVENCIONAL, EM DIFERENTES SUBSTRATROS 2021-10-19T13:22:02+00:00 Ademir Kleber Morbeck de Oliveira akmorbeckoliveira@gmail.com José Carlos Pina josecarlospina@gmail.com Rosemary Matias rosematias@yahoo.com.br <p>A espécie <em>Basella alba</em>, conhecida popularmente como bertalha ou espinafre indiano, é considerada uma hortaliça não convencional, possuindo diversos modos de utilização. Levando-se em consideração seu potencial de uso, objetivou-se avaliar a produção de massa verde e metabolitos secundários em plantas cultivadas em diferentes substratos. Foram utilizadas hastes herbáceas de 15 cm de comprimento, cultivadas em substratos formados por uma mistura de Latossolo, Vermicomposto e Substrato Comercial. Após 90 dias de cultivo a pleno sol, foram avaliados as raizes, parte aérea e a presença de metabólitos secundários nas folhas. Os resultados indicaram que o tratamento T2, com adição de 30% de Vermicomposto, apresentou o melhor crescimento e maior produção de compostos fenólicos e flavonoides. Entretanto, neste tratamento ocorreu uma alta intensidade de heterosídeos cardiotônicos, um metabólito que pode causar problemas de saúde. Desta maneira, o segundo melhor tratamento, em termos de produção de biomassa e polifenóis, T3 (70% Substrato Comercial) seria o mais indicado para consume das folhas, com intensidade positiva parcial de heterosídeos.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/679 ESTUDO E CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE PLÁSTICO RECICLADO E RESÍDUO DE MDF 2021-11-01T13:41:01+00:00 Patrícia Siqueira Alves patricias@san.uri.br Danieli Becker danieli.becker@hotmail.com Anelise de Jesus anelisejesus@aluno.santoangelo.uri.br Flávio Kieckow fkieckow@san.uri.br <p>O uso da madeira maciça está cada vez mais restrito e oneroso. Novas tecnologias de produção de MDF pela indústria moveleira têm estimulado a fabricação e o consumo de móveis planejados. Consequentemente, a quantidade de resíduo desse material tem aumentado e é preocupante. Uma alternativa é o reaproveitamento do mesmo para desenvolver novos produtos de materiais compósitos de modo a agregar valor ao resíduo, proteger o ambiente e favorecer a economia circular na cadeia produtiva de móveis. Este trabalho objetiva produzir e caracterizar um material compósito a partir do resíduo de MDF e PEBD reciclado. O MDF foi caracterizado por análise granulométrica e espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier (FTIR). Buscaram-se as condições ideais de processamento do compósito. Confeccionaram-se e caracterizaram-se os compósitos plástico-MDF, em composições de 25 a 60% MDF. Para o MDF observou-se que, a maioria das partículas tem diâmetro de 363,5 e 256 µm, bem como, a presença de umidade, resina ureia formaldeído, madeira macia e madeira dura. Temperatura de 190 °C, pressão de 9 t, tempo de 5 min e a massa de 10 g de material (por chapa confeccionada), foram as melhores condições de processamento do compósito. Resultados satisfatórios de resistência mecânica e absorção de água foram encontrados para a composição de 30% de pó de MDF. Os ensaios mostraram uma boa aderência entre a matriz e o reforço.</p> 2022-06-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022