CUIDADOS PALIATIVOS EM UM PRONTO SOCORRO PEDIÁTRICO: PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.112

Resumo

Objetivos:compreender como a equipe de enfermagem se sente diante do cuidado paliativo à criança e ao adolescente internados em um Pronto Socorro Pediátrico. Materiais e método: pesquisa qualitativa do tipo descritivo-exploratório. A coleta de dados ocorreu no período de 20 de setembro a 14 de novembro de 2018, através de entrevista semiestruturada, com 11 profissionais de enfermagem lotados em um Pronto Socorro Pediátrico de um hospital de ensino de grande porte localizado na região central do estado e após os dados foram submetidos à análise de conteúdo temático. Resultados: demonstram que os profissionais reconhecem os cuidados paliativos como uma alternativa para um cuidado mais humanizado, digno e respeitoso ao paciente sem possibilidades terapêuticas de cura. Conclusão: relatam dificuldade na prestação destes cuidados, visto a deficiência tanto na formação profissional quanto nas capacitações setoriais referentes à morte e aos cuidados paliativos, além de não considerarem o ambiente no qual atuam, adequado para realização dos cuidados paliativos.

Referências

ANCP. Academia Nacional de Cuidados Paliativos. Manual de Cuidados Paliativos ANCP. 2º edição. 2012.

BOAVENTURA, A.N.; VEDOVATO, C.A.; SANTOS, F.F. Perfil dos pacientes oncológicos atendidos em uma unidade de emergência. Ciencia y Enfermeria. 2015; 11(2): 51-62. Disponível: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v21n2/art_06.pdf

BRASIL. Resolução nº466, 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Conselho Nacional de Saúde. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8069. Artigo 7º. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.html

CRUZ, M.L.M.; OLIVEIRA, R.A.A. Licitude civil da prática da ortotanásia por médico em respeito à vontade livre do paciente. Revista Bioética. 2013; 21(3):405-11. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v21n3/a04v21n3.pdf

GOMES, A.L.Z.; OTHERO, M.B. Cuidados paliativos. Estud. av. 2016; 30(88):155-166. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v30n88/0103-4014-ea-30-88-0155.pdf

HAYASIDA, N.M.A. et al. Morte e luto: competências dos profissionais. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. 2014;10(2). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtc/v10n2/v10n2a07.pdf

KOVACS, M.J. A caminho da morte com dignidade no século XXI. Revista Bioética. 2014; 22(1):94-104. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=361533264009

MARTINS, G.B.; HORA, S.S. Família e Cuidados Paliativos em Pediatria: Desafios à Garantia do Cuidado. Revista Brasileira de Cancerologia. 2016; 62(3): 259-262 Disponível em: http://www1.inca.gov.br/rbc/n_62/v03/pdf/09-artigo-opiniao-familia-e-cuidados-paliativos-em-pediatria-desafios-a-garantia-do-cuidado.pdf

MEDEIROS, T.S.; SILVA, O.R.; SARDINHA, A.L.B. Acolhimento e Acesso aos Direitos Sociais: assistência a pacientes em cuidados paliativos oncológicos. Textos & Contextos (Porto Alegre). 2015; 14 (2): 403-415. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/21225/13962

MINAYO, M.C.S. O desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13 ed. São Paulo. HUCITEC, 2013.

OMS. Manual de cuidados paliativos. 2014. Disponível em: http://www.who.int>. Acesso em 15 de novembro de 2017.

SANCHES, M.V.P.; NASCIMENTO, L.C.; LIMA, R.A.G. Crianças e adolescentes com câncer em cuidados paliativos: experiência de familiares. Rev Bras Enferm. 2014; 67(1): 28-35. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n1/0034-7167-reben-67-01-0028.pdf

SANTA MARIA. Relatório de estatística do Hospital Universitário de Santa Maria. Santa Maria, 2012. Disponível em: http://www2.ebserh.gov.br/documents/219273/0/Boletim+de+Servi%C3%A7o+82+HUSM+-.pdf/5bef8d21-34aa-4876-9ad1-6271e918db43

SCHIAVON, A.B. et al. Profissional da saúde frente a situação de ter um familiar em cuidados paliativos por câncer. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(1). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/55080/37067

SEMTCHUCK, A.L.D.; GENOVESI, F.F.; SANTOS, J.L. Los cuidados paliativos en oncología pediátrica: revisión integradora. Revista Uruguaya de Enfermería Montevideo. 2017; 12(1). Disponível em: http://rue.fenf.edu.uy/index.php/rue/article/view/216/210

SILVEIRA, L.C.; BRITO, M.B.; PORTELLA, S.D.C. Os sentimentos gerados nos (as) profissionais enfermeiros (as) diante o processo morte/ morrer do paciente. Revista Enfermagem Contemporânea. 2015; 4(2):152-169. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/256/544

STOCHERO, H.M. Sentimentos e dificuldades no enfrentamento do processo de morrer e de morte por graduandos de enfermagem. Chía. 2016; 16(2):219-229. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aqui/v16n2/v16n2a09.pdf

VASQUES, T.C.C. et al. Equipe de enfermagem e complexidades do cuidado no processo de morte-morrer. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, 2019; 17(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v17n3/1678-1007-tes-17-03-e0021949.pdf

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Avello Schirmer, C., Maria Barbosa de Freitas, H., Saldanha da Silveira Donaduzzi, D., Marques Machado, R., da Rosa, A. B., & Fettermann, F. A. (2020). CUIDADOS PALIATIVOS EM UM PRONTO SOCORRO PEDIÁTRICO: PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM. Vivências, 16(31), 235-244. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.112

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO