MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA O ALÍVIO DA DOR DURANTE O TRABALHO DE PARTO: VIVÊNCIAS DE ENFERMEIRAS OBSTÉTRICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.118

Resumo

Objetivo: identificar as vivências e o conhecimento de enfermeiras obstétricas em relação aos métodos não farmacológicos para o alívio da dor no trabalho de parto. Método: pesquisa descritiva, exploratória, fundamentada na abordagem qualitativa. A pesquisa foi realizada em um município da região central do estado do Rio Grande do Sul, tendo como cenário uma maternidade de risco habitual, a qual acolhe gestantes com idade gestacional entre 37 à 42 semanas, configurando-se como referência em obstetrícia na região, e como participantes 06 enfermeiras obstétricas que atuam na referida maternidade. Resultados: apontaram que a formação apresenta lacunas do conhecimento importantes em relação às boas práticas, em especial quanto ao uso dos Métodos não Farmacológicos para Alívio da Dor no Parto e que somente após inserção da residência em enfermagem obstétrica é que se ampliaram as possibilidades de ação na assistência humanizada em relação às tecnologias não invasivas. Conclusão: foi possível identificar a importância da assistência humanizada no parto e nascimento, além disso, o processo de inserção das enfermeiras obstétricas foi considerado benéfico e percebe-se também a necessidade de atualização constante de conhecimento por parte destas.

Biografia do Autor

Fernanda Almeida Fettermann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil. Doutoranda em Educação em Ciências. E-mail: fefettermann@hotmail.com

Enfermeira, doutoranda do ppgecqv ufrgs

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências [Internet]. Brasília (DF). Disponível em:.

BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em:https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

COFEN (Conselho Federal de Enfermagem). Resolução COFEN nº 524/2016. 2016. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html.

FERREIRA, A.G.E.; DALL’AGNOL, C.M.; PORTO, A.R. Repercussões da proatividade no gerenciamento do cuidado: percepções de enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. v. 20, n. 3, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n3/1414-8145-ean-20-03-20160057.pdf>. DOI: 10.5935/1414-8145.20160057

LEHUGEUR, D.; STRAPASSON, M.R.; FRONZA, E. Manejo não farmacológico de alívio da dor em partos assistidos por enfermeira obstétrica. Rev enferm UFPE on line., Recife, 11(12):4929-37, dec., 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/22487>. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i12a22487p4929-4937-2017

LIMA, M.F.G. et al. Desenvolvendo competências no ensino em enfermagem obstétrica: aproximações entre teoria e prática. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1110-6. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v70n5/pt_0034-7167-reben-70-05-1054.pdf>. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0665

LIMA, G.P.V. et al. Expectativas, motivações e percepções das enfermeiras sobre a especialização em enfermagem obstétrica na modalidade residência. 2015. Esc Anna Nery, v. 19, n. 4, p. 593-599, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n4/1414-8145-ean-19-04-0593.pdf>.

MASCARENHAS, V.H.A. et al. Evidências científicas sobre métodos não farmacológicos para alívio a dor do parto. Acta paul. enferm. vol.32 no.3 São Paulo May/June 2019 Epub July 29, 2019. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-21002019000300350&script=sci_arttext> DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201900048

OLIVEIRA, R.M. et al. Estratégias para promover segurança do paciente: da identificação dos riscos às práticas baseadas em evidências. Esc. Anna Nery vol.18 no.1 Rio de Janeiro Jan./Mar. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140018

ORTEGA, M.C.B. et al. Formação acadêmica do profissional de enfermagem e sua adequação às atividades de trabalho. Rev. Latino-Am. Enfermagem maio-jun. 2015;23(3):404-10. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n3/pt_0104-1169-rlae-23-03-00404.pdf>. DOI: 10.1590/0104-1169.0432.2569

PIRES, D.E.P.; LORENZETTI, J.; FORTE, E.C.N. Condições de trabalho: requisito para uma prática de enfermagem segura. In: Vale EG, Peruzzo SA, Felli VEA, organizadores. PROENF. Programa de Atualização em Enfermagem: Gestão: Ciclo 4. Porto Alegre (RS): Artmed Panamericana; 2015.

PORFÍRIO, A.B; PROGIANTI, J.M; SOUZA, D.O. As práticas humanizadas desenvolvidas por enfermeiras obstétricas na assistência ao parto hospitalar. RevEletrEnf, v.12, n. 2, p. 331-6, 2010. Disponível em: <https://www.fen.ufg.br/revista/v12/n2/v12n2a16.htm>. DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i2.7087.

THOFEHRN, M.B. et al. Processo de trabalho dos enfermeiros na produção de saúde em um hospital universitário de Múrcia/Espanha. Cienc Cuid Saude, v.14, n. 1, p. 924-32, Jan/ Mar, 2015. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i1.22094

VARGENS, O.M.C. et al. Tecnologias não-invasivas de cuidado de enfermagem obstétrica: repercussões sobre a vitalidade do recém-nascido. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2017. DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2017.21717

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience, 2018. Disponível em: < http://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2018/04/9789241550215-eng.pdf>.

ZANGÃO, M.O.; MENDES, F.R,P. Competências relacionais e preservação da intimidade no processo de cuidar. Rev Bras Enferm [Internet]. 2015[cited 2016 Nov 15];68(2):191-97. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680202i

Publicado

2019-12-11

Como Citar

Azevedo, L. da S., Fettermann, F. A., Bordignon, J., da Rosa, A. B., Costa, S., & Donaduzzi, D. S. da S. (2019). MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA O ALÍVIO DA DOR DURANTE O TRABALHO DE PARTO: VIVÊNCIAS DE ENFERMEIRAS OBSTÉTRICAS. Vivências, 16(30), 115-125. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.118

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO