PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PESCADORES E MORADORES URBANOS SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA NO SUL DO BRASIL

Autores

  • Ieda Salete Pagliochi Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Luiz Ubiratan Hepp Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Vanderlei Secreti Decian Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Sônia Beatris Balvedi Zakrzevski Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Monik Compagnoni Martins Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Cristiane Biasi Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Silvane Souza Roman Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil
  • Albanin Aparecida Mielniczki-Pereira Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.138

Resumo

A energia é um fator essencial para alavancar o desenvolvimento dos países. No entanto, novos empreendimentos hidrelétricos afetam o ambiente natural e as populações humanas no entorno de maneira irreversível. Este trabalho investigou a percepção ambiental de pescadores e moradores urbanos que vivem nos arredores da Usina Hidrelétrica Itá (UHE Itá), sul do Brasil. Entrevistas semiestruturadas, contendo perguntas organizadas em três blocos (renda e educação, impactos ambientais e impactos sociais) foram aplicadas a 70 pescadores (diretamente afetados pela implantação da usina) e 70 moradores urbanos que vivem nos arredores da UHE Itá. Pescadores e moradores urbanos percebem maior abundância de animais terrestres, bem como na quantidade e qualidade da vegetação ripária no entorno do reservatório, após a implantação da usina. Entretanto, os grupos apresentam opiniões divergentes em relação à influência da usina nas famílias dos entrevistados e na cidade sede do município onde os entrevistados vivem. Renda e educação não afetaram as percepções ambientais dos grupos, mas tiveram influência nos outros aspectos investigados.

Biografia do Autor

Ieda Salete Pagliochi, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Luiz Ubiratan Hepp, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Vanderlei Secreti Decian, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Sônia Beatris Balvedi Zakrzevski, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Monik Compagnoni Martins, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Cristiane Biasi, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Silvane Souza Roman, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Albanin Aparecida Mielniczki-Pereira, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, RS, Brasil

Programa de Pós-Graduação em Ecologia

Referências

AGOSTINHO, A. A.; GOMES, L.C.; PELICICE, F. M. Ecologia e manejo de recursos pesqueiros em reservatórios do Brasil. 1ª ed. Maringá: Eduem, 2007. 501p.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Koppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: 10.1127/0941-2948/2013/0507

ANDRADE, E. M.; COSENZA, J. P.; ROSA, L. P.; LACERDA, G. The vulnerability of hydroelectric generation in the Northeast of Brazil: the environmental and business risk for CHESF. Renewable&Sustainable Energy Reviews, v. 16, p. 5760-5769, 2012. DOI: 10.1016/j.rser.2012.06.028

ARAÚJO, M. R. M.; MOREIRA, A. S.; ASSIS, G. Significado de responsabilidade social de empresas para consumidor. Revista Psicologia Organização e Trabalho, v. 4 p. 85-115, 2004.

BERMANN, C. Impasses e controvérsias da hidroeletricidade. Estudos Avançados, v.21, p. 140-153, 2007. Doi: 10.1590/s0103-40142007000100011

BRASIL. Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Atlas de Energia Elétrica no Brasil. 3ª ed. 2008. 236p. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/documents/656835/14876406/2008_AtlasEnergiaEletricaBrasil3ed/297ceb2e-16b7-514d-5f19-16cef60679fb>. Acesso em: 11 nov. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente-Conama (CONAMA). Resolução nº 302/2002. 2002.

BRASIL. Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). 2004. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/arquivos/PDF/Estacoes_396_fev-2004_1.pdf>. Acesso em: 24 out. 2014.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), CENSO. 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/tabelas_pdf/total_populacao_rio_grande_do_sul.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2014.

BRASIL. Plano Nacional de Energia 2030. Rio de Janeiro: EPE, 2007. 408 p. Disponível em: <http://www.abesco.com.br/wp-content/uploads/2015/07/Plano-Nacional-Energia-2030.pdf>. Acesso em: 11 nov. 2019.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Série Estudos do Meio Ambiente - Nota Técnica DEA 17/12: Metodologia para avaliação socioambiental de usinas hidrelétricas. 2012. Disponível em: <http://www.epe.gov.br/MeioAmbiente/Documents/Estudos%20PDE%202021/20121227_1.pdf>. Acesso em: 1 set. 2015.

BROWN, J. H.; BURNSIDE, W. R.; DAVIDSON, A. D.; DELONG, J. P.; DUNN, W. C.; HAMILTON, M. J.; SILVA-MERCADO, N.; NEKOLA, J. G. O; WOODRUFF, W. H.; ZUO, W. Energetic limits to economic growth. BioSciense, v. 61, p. 19-26, 2011. DOI: 10.1525/bio.2011.61.1.7

CASTRO, N. J.; DANTAS, G. A.; TIMPONI, R. R. A construção de hidroelétricas e o desenvolvimento sustentável. Economia e Energia, n. 81, p. 19-36, 2011.

CONSÓRCIO ITÁ. Ações socioambientais – Plano diretor. 2001. Disponível em: <http://www.consorcioita.com.br/ckfinder/userfiles/files/plano_diretor_ita.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015.

CONSÓRCIO ITÁ. 2014. Disponível em: <http://www.consorcioita.com.br/paginas/visualizar/municipios/#conteudo>. Acesso em: 01 set. 2015.

CORRÊA, S. R. M. O Movimento dos atingidos por barragens na Amazônia: um movimento popular nascente de “vidas inundadas”. Revista Nera, n. 15, p. 34-65, 2009.

EVANGELISTA-BARRETO, N. S.; DALTRO, A. C. S.; SILVA, I. P.; BERNARDES, F. S. Indicadores socioeconômicos e percepção ambiental de pescadores em São Francisco do Conde, Bahia. Boletim do Instituto de Pesca, v. 40, n. 3, p. 459-470, 2014.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. Dams, fish and fisheries opportunities, challenges and conflict resolution. 2001. Disponível em: <http://www.fao.org/3/a-y2785e.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015.

GRAF. W. L.; Geomorphology and American dams: The scientific, social, andeconomiccontext. Geomorphology, v. 71, p. 3-26, 2005.

IEA, Internacional Energy Agency. Monthly electricity statistics. 2019. Disponível em: <http://www.iea.org/media/statistics/surveys/electricity/mes.pdf>. Acesso em: 11 nov. 2019.

KUDLAVICZ, M. Usinas hidrelétricas: impacto sócio-ambiental e desagregação de comunidades. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, v. 2, p. 87-115, 2005.

NILSSON, C.; BERGGREN, K. Alterations of riparian ecosystems caused by river regulation. BioScience, v. 50, p. 783-792, 2010. DOI: 10.1641/0006-3568(2000)050[0783:aorecb]2.0.co;2

NILSSON, C.; JANSSON, R.; ZINKO, U. Long-term responses of river-margin vegetation to water-level regulation. Science, v. 276, p. 798-800, 1997. DOI: 10.1126/science.276.5313.798

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; BUDKE, J. C.; JARENKOW, J. A. Delving into the variations in tree species composition and richness across South American subtropical Atlantic and Pampean forests. Journal of Plant Ecology, v. 2, p. 1-23, 2013. DOI: 10.1093/jpe/rtt058

OPPERMAN, J. J.; ROYTE, J.; BANKS, J.; DAY, L. R.; APSE, C. Penobscot River, Maine, USA: a Basin-Scale Approach to Balancing Power Generation and Ecosystem Restoration. Ecologia e Sociedade, v. 16, (S/N), 2011. DOI: 10.5751/es-04117-160307

PIACENTI, C. B.; LIMA, J. F.; ALVES, L. R.; KARPINSKI, C.; PIFFER, M. Apontamentos sobre a economia dos municípios atingidos pelas hidrelétricas de Salto Caxias e Itaipu Binacional. Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 104, p. 103-123, 2003.

RAMOS, C. O.; ANJOS, L. The width and biotic integrity of riparian forests affect richness, abundance, and composition of bird communities. Natureza & Conservação, v. 12, p. 59-64, 2014. DOI: 10.4322/natcon.2014.011

ROCHA, S. A inserção dos jovens no mercado de trabalho. Caderno CRH, Salvador, v. 21, p. 533-550, 2008. DOI: 10.1590/s0103-49792008000300009

ROVANI, I. L.; SANTOS, J. E.; DECIAN, V. S.; ZANIN, E. M. Assessing naturalness changes resulting from a historical land use in Brazil South Region: an analysis of the 1986-2016 Period. Journal of Environmental Protection (Print), v. 10, p. 149-163, 2019. DOI: 10.4236/jep.2019.102010

SALVATO, M. A.; FERREIRA, P. C. G.; DUARTE, A. J. M. A. O impacto da escolaridade sobre a distribuição da renda. Estudos Econômicos São Paulo, v. 40, p. 753-791, 2010. DOI: 10.1590/s0101-41612010000400001

SANTOS, E. S.; CUNHA, A. C.; CUNHA, H. F. A. Usina hidrelétrica na Amazônia e impactos socioeconômicos sobre os pescadores do município de Ferreira Gomes-Amapá. Ambiente & Sociedade, v. 20, n. 4, p. 197-212, 2017. DOI: 10.18361/2176-8366/rara.v8n2p279-291

SARTORETTO, S. M. Lembranças Submersas: O caso da cidade de Itá em Santa Catarina. Passo Fundo: UPF Editora, 2005, 172p.

SEMA - Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Estado do Rio Grande do Sul. Principais resultados do inventário florestal contínuo. 2010. Disponível em: <http://www.sema.rs.gov.br/conteudo.asp?cod_menu=355>. Acesso em: 15 mai. 2015.

SILVA, F. M.; PAULA, E. A. Usinas hidrelétricas sob os véus da “sustentabilidade”: o pescador artesanal da Ponta do Abunã e a Usina Hidrelétrica de Jirau, em Rondônia. Novos Cadernos NAEA, v. 21, n. 1, p.159-178, 2018. DOI: 10.5801/ncn.v21i1.3497

SOUZA-CRUZ-BUENAGA, F. V. A.; ESPIG, S. A.; CASTRO, T. L. C.; SANTOS, M. A. Environmental impacts of a reduced flow stretch on hydropower plants. Brazilian Journal of Biology, v. 79, n. 3, p. 470-487, 2019.

SPERLING, E. V. Hydropower in Brazil: overview of positive and negative environmental aspects. Energy Procedia, v. 18, p. 110-118, 2012. DOI: 10.1016/j.egypro.2012.05.023

STERNBERG, R. Hydropower: Dimensions of social and environmental coexistence. Renewable&Sustainable Energy Reviews, v. 12, p. 1588-1621, 2008. DOI: 10.1016/j.rser.2007.01.027

VIBRANS, A. C.; SEVEGNANI, L.; GASPER, A. L.; MÜLLER, J. J. V.; REIS, M. S. Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina: Resultados Resumidos. Blumenau: Universidade Regional de Blumenau, 2013. 37p. DOI: 10.4336/2010.pfb.30.64.291

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Pagliochi, I. S., Hepp, L. U., Decian, V. S., Zakrzevski, S. B. B., Martins, M. C., Biasi, C., Roman, S. S., & Mielniczki-Pereira, A. A. (2020). PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PESCADORES E MORADORES URBANOS SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA NO SUL DO BRASIL. Vivências, 16(31), 179-194. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.138

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO