TRILHAS INTERPRETATIVAS UMA PRÁTICA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.151

Resumo

O presente artigo apresenta as temáticas meio ambiente e educação ambiental através do projeto de extensão realizado denominado Trilhas Interpretativas uma prática para a Educação Ambiental, que, versa um novo paradigma conceitual sobre uma importante ferramenta da Educação Ambiental perante o cenário contemporâneo, onde o processo desencadeado a partir da crise ambiental pós revolução industrial, potencializou os desequilíbrios aos ecossistemas, afetando diretamente a perda da biodiversidade da fauna e flora como também indiretamente os sujeitos participes das comunidades e consequentemente as atividades que exercem. A trilha como ferramenta auxilia na sensibilização dos participantes, exercendo o papel norteador dos conceitos ecológicos e de sustentabilidade dos ecossistemas através do sujeito participe, pois o mesmo apresenta uma potencialidade de reflexão sobre a temática vivenciada no local da trilha e dinamiza o conhecimento para outros sujeitos Foram trabalhados a sensibilização por meio do contato com a natureza, através de atividades lúdicas como jogos que auxiliam no entendimento dos participantes mediante aos conceitos abordados durante a trilha, palestras que desenvolvem as definições sobre as temáticas ambientais e de educação ambiental que se atravessam como: meio ambiente, recursos naturais renováveis e não renováveis, fauna, flora e seus habitats, compreensão sobre a biodiversidade e a crise ambiental, extinção e organização do ecossistema. A trilha interpretativa é desenvolvida nos limites da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões campus de Frederico Westphalen URI-FW, onde se encontra um fragmento de Mata Atlântica, que sofre com algumas alterações antrópicas, mas mesmo assim apresenta uma vasta diversidade de fauna e flora, a trilha atendeu aproximadamente 1000 alunos escolas de Frederico Westphalen e do programa Jovem Aprendiz do SENAC. Dessa forma, qualificar os significados dos espaços da trilha ecológica e estimular o ethos do sujeito mediante suas atitudes e ações ressignifica a amplitude das questões ambientais e a compreensão da dimensão socioambiental no espaço urbano onde a trilha está estruturada.

Referências

SOUZA, Douglas Macali; CREMER, Marta Jussara. A trilha ambiental interpretativa em uma unidade de conservação como ferramenta de sensibilização de escolares: uma abordagem quantitativa na rede municipal de ensino de Joinville, Santa Catarina. Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 11, n. 1 – pags. 94-109. 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305761878.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Conceitos de Educação Ambiental. Disponível em: http://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/politica-de-educacao-ambiental.

PADOAN, Lucas Lima. et al. Interpretação ambiental e Trilhas Interpretativas: elaboração de uma proposta de Trilha Interpretativa para Serra do Catete, Ouro Preto, Minas Gerais. X congresso nacional de excelência em gestão, 2014. Disponível em: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T14_0271.pdf.

FERREIRA, Leidryana da Conceição, et al. Educação ambiental e sustentabilidade na prática escolar. Revbea, São Paulo. 2019. Disponível em: file:///C:/Users/Usu%C3%A1rio/Downloads/2678-Texto%20do%20artigo-13183-3-10-20190623%20(2).pdf.

PFEIFER, Fernanda Jéssica; et al. A trilha sensitiva como prática de educação ambiental para alunos de uma escola de ensino fundamental de Palmeira das Missões-RS. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Jul/dez 2016. P. 67-84. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/5062/0.

BREDA, Thiara Vichiato; PICANÇO, Jeferson de Lima. A educação ambiental a partir de jogos: aprendendo de forma prazerosa e espontânea. II SEAT – Simpósio de Educação Ambiental e Transdisciplinaridade UFG / IESA / NUPEAT – Goiânia. 2011. Disponível em: https://nupeat.iesa.ufg.br/up/52/o/2_EDUCACAO_AMBIENTAL_com_JOGOS.pdf.

SARTORI, Simone, et al. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambient. soc. [online]. 2014, vol.17, n.1, pp.01-22. ISSN 1809-4422. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141453X2014000100002&script=sci_abstract&tlng=pt.

SOUZA, Mariana Cristina da Cunha. Educação ambiental e as trilhas: contexto para a sensibilização ambiental. Revbea, São Paulo, V.9. 2014. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea.

JACOBI, Pedro. Educação e meio ambiente – transformando as práticas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 2004. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea.

IKEMOTO, Silvia Marie.; MORAES, Moemy Gomes de; COSTA, Vivian Castilho da. Avaliação do potencial interpretativo da trilha do Jequitibá, Parque Estadual dos Três Picos. Rio de Janeiro. Sociedade e Natureza, Uberlândia, v. 21, p, 271-287. 2009.

Publicado

2019-12-11

Como Citar

Buzatto, L., & Kuhnen, C. F. C. (2019). TRILHAS INTERPRETATIVAS UMA PRÁTICA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Vivências, 16(30), 291-231. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.151

Edição

Seção

ARTIGOS DO PRÊMIO DESTAQUE