A VIOLÊNCIA NO COTIDIANO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM E OS USOS DE SI NO ENFRENTAMENTO

Autores

  • Rosane Teresinha Fontana Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Programa de Pós-Graduação em Ensino Científico e Tecnológico, Santo Ângelo, RS, Brasil. Doutora em Enfermagem. E-mail: rfontana@san.uri.br https://orcid.org/0000-0002-0391-9341

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.85

Resumo

Introdução: A Organização Mundial de Saúde define violênciacomo o uso da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra um grupo ou uma comunidade, que resulte ou tenha qualquer possibilidade de resultar em lesão, morte, dano psicológico, deficiência de desenvolvimento ou privação. Metodologia: Trata-se de um ensaio cujo objetivo é refletir sobre a violência psicológica sofrida pela enfermagem. Pode-se inferir que esse tipo de violência, seja perpetrada por gestores, colegas ou por usuários dos serviços de saúde é um fator determinante de sofrimento ao trabalhador. Considerações Finais: Iniciativas para o enfrentamento à violência e medidas de notificação que contribuem para o fenômeno saia da invisibilidade podem agregar valor à saúde do trabalhador de enfermagem.

Biografia do Autor

Rosane Teresinha Fontana, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Programa de Pós-Graduação em Ensino Científico e Tecnológico, Santo Ângelo, RS, Brasil. Doutora em Enfermagem. E-mail: rfontana@san.uri.br

Doutora em Enfermagem. Professora na graduação em Enfermagem e no Programa de Pós-Graduação em Ensino Científico e Tecnológico, na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, campus Santo Ãngelo, RS, Brasil. 

Referências

ABBAS, M.A. et al. Epidemiology of Workplace Violence against Nursing Staff in Ismailia Governorate, J Egypt Public Health Assoc, v.85, n.1-2, p.29-43, 2010..Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21073846. Acesso em 13 mar 2010.

BARBOSA, R. et al. Violência psicológica na prática profissional da enfermeira. Rev Esc Enferm USP, v. 45, n. 1, p. 26-32, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde. Classificação de risco dos agentes biológicos. Brasília; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/classificacao_risco_agentes_biologicos_2ed.pdf. Acesso 12 dez 2010.

BATTISTELLI, B.M.; AMAZARRAY, M.R.; KOLLER, S.H. O assédio moral no trabalho na visão de operadores do direito. Psicologia e Sociedade , v. 23, n.1, 2011, p. 35-45.

CAHÚ, G.P.R. et al. Produção científica em periódicos online acerca da prática do assédio moral: uma revisão integrativa. Rev. Gaúcha Enferm., v.32, n.3, 2011, p. 611-19.

CASTELLON, A.M.D. Violência laboral em enfermeiras: explicações e estratégias de enfrentamento. Rev. Latino-Am. Enfermagem., v.19, n.1, 2011,[8 telas].Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n1/pt_21.pdf . Acesso em 2017 jan 5

CEZAR-VAZ, M.R. et al. Percepção do risco no trabalho em saúde da família: estudo com trabalhadores no Sul do Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v.17, n.6, p. 961-67, 2009.

CHEN, W.C. et al. Incidence and risk factors of workplace violence on nursing staffs caring for chronic psychiatric patients in taiwan. Int J Environ Res Public Health, v.6, n.11, p. 2812-21, 2009. Available from: http://www.mdpi.com/1660-4601/6/11/2812. Acesso em 15 ago 2010.

COSTA, A.L.R.C.; MARZIALE, M.H.P. Relação tempo-violência no trabalho de enfermagem em Emergência e Urgência Rev. Bras. Enferm, v. 59, n.3, p. 337-43, 2006.

CUNHA, Y.F.F.; SOUZA, R.R.S.C.. Gênero e enfermagem: um ensaio sobre a inserção do homem no exercício da enfermagem. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, p.140-149, 2006.

DAL PAI, D. Enfermagem, trabalho e saúde: cenas e atores de um serviço público de pronto socorro. [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Enfermagem, 2007.

DEJOURS, C. O fator humano. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1997.

FARIAS, G.M. et al. Violência ocupacional: situação de risco a dignidade e integridade dos profissionais da saúde Rev enferm UFPE on line, v. 4, n.1, p. 341-47, 2010. Disponível em: http://www.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/703/pdf_328. Acesso em 20 dez 2010.

FRANZ. S et al. Aggression and violence against health care workers in Germany - a cross sectional retrospective survey. MC Health Services Research, v.10, n.51, 2010. Available from: http://www.biomedcentral.com/1472-6963/10/51.Acesso em:20 set 2010.

FONTANA, R.T. Humanização no processo de trabalho em enfermagem: uma reflexão.Rev. RENE, v.11, n.1, p.200-7, 2010.

FONTANA, R.T.; LAUTERT, L. A situação de trabalho da enfermagem e os riscos ocupacionais na perspectiva da ergologia. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v.21, n. 6, p.1306-13, 2013.

FONTANA, R.T.;LEAL, D.R. A violência em unidades de terapia intensiva. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, v. 13, n.24: p.40-49, Maio/2017

GUEDES, R.N.; SILVA, A.T.M.C.; COELHO, E.A.C. Violência conjugal: problematizando a opressão das mulheres vitimizadas sob olhar de gênero. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.9, n.2, 2007, p.62-378. Available from: URL: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n2/v9n2a06.htm. Acesso em 2017 set 20

MARINHO J. Violência ocupacional: a vítima é a enfermagem. Revista do COREN/SP, v.66, p.9-13, 2006

MINAYO, M.C.S. Violência: um problema para a saúde dos Brasileiros. In: Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília(DF): Ministério da Saúde; 2005.p.10-42.

OLIVEIRA, C.M.; FONTANA, R.T. Violência psicológica: um fator de risco e de desumanização ao trabalho da enfermagem. Cienc Cuid Saude, v. 11, n.2, 2012, p.243-49

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial sobre violência e saúde. Brasília: OMS/OPAS; 2002.

PEREIRA, P.F. Homens na enfermagem: atravessamentos de gênero na escolha, formação e exercício profissional. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de PósGraduação em Enfermagem, 2008

PEREIRA, W. R; SILVA, G.B.. A mulher, o trabalho e a enfermagem profissional – algumas reconsiderações sobre a ótica do gênero. Texto Contexto Enferm. Florianópolis, v.6, n.1, p 18-31,1997.

ROTHER, E.T. Revisão sistemática x Revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem; v. 20, n.2, p 5-6, 2007.

SCHWARTZ, Y. Trabalho e gestão: níveis, critérios, instâncias. In: Athayde M, Brito J, Alvarez D(org). Labirintos do Trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de janeiro: DP&A, 2004. p.23-33

SCHWARTZ, Y, DURRIVE, L. Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana.Niterói: Ed UFF, 2007.

SCHERER, M.D.A.; PIRES, D.; SCHWARTZ, Y. Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde. Rev. Saúde Pública, v.43, n.4, p. 721-25, 2009. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php. Acesso em 20 jan 2010 .

SHIELDS, M ; WILKINS, K. Factors related to on-the-job abuse of nurses by patients. Health Rep., v.20, n.2, p.7-19, 2009. Available from: http://www.arnnl.ca/documents/statistics/10835-eng.pdf. Acesso em 15 ago 2010.

SANTOS, S.I.L. et al. Assédio moral no âmbito da enfermagem: revisão integrativa da literatura. Cogitare Enferm. v.19. n.1, 2014, p.159-6

SOUZA e SILVA, M.C.P. O trabalho do professor sob um enfoque ergológico-discursivo. Ciente-fico, v.VII, n. II, p. 195-205, 2007.

XAVIER,A.C.H. et al. Assédio moral no trabalho no setor saúde no Rio de Janeiro: algumas características Rev Bras Saúde Ocup., v. 33, n.117, p. 15-22, 2008.

Publicado

2019-12-11

Como Citar

Fontana, R. T. (2019). A VIOLÊNCIA NO COTIDIANO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM E OS USOS DE SI NO ENFRENTAMENTO. Vivências, 16(30), 99-114. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.85

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO