UMA PROPOSTA DE MAPAS CONCEITUAIS A PARTIR DA ABORDAGEM DO CONCEITO DE CAMPO ELÉTRICO EM LIVROS DIDÁTICOS

Autores

  • Graciela Paz Meggiolaro Universidade da Fronteira Sul (UFFS), Cerro Largo, RS, Brasil. Doutora em Ensino de Ciências e Matemática. E-mail: gracipmegg@gmail.com http://orcid.org/0000-0001-8294-2787
  • Antonio Vanderlei Dos Santos Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Programa de Pós-Graduação em Ensino Científico e Tecnológico, Santo Ângelo, RS, Brasil. Doutor em Física. E-mail: vandao@san.uri.br http://orcid.org/0000-0002-6015-4218

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.103

Resumo

educação. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é analisar o conceito de campo elétrico e propor mapas conceituais em dois livros didáticos de Física utilizados em sala de aula, sendo um indicado no PNLEM/2015 (Programa Nacional do Livro Didático do Ensino Médio – Física) e o outro no Ensino Superior nos cursos de Engenharia. Utilizou-se a metodologia de Moraes e Galiazzi (2007), e a análise dos resultados deu-se a partir do referencial de Ausubel (1980) e Vergnaud (1982). Constatamos que os livros didáticos não abordam mapas conceituais dentro do material, sendo assim, acredita-se que existe uma lacuna na aprendizagem do aluno. 

Referências

ASSUNÇÃO A, PEREIRA MJ, FONSECA MC (2012) Uma análise exploratória comparativa do desempenho acadêmico nas disciplinas básicas em um curso de engenharia. XL COBENGE. Belém.

Ausubel DP, Novak JD, Hanesian H. Educational psychology. New York: Holt, Rinehart and Winston. Publicado em português pela Editora Interamericana, Rio de Janeiro, 1980. Em espanhol por Editorial Trillas, México, 1981. Reimpresso em inglês por Werbel & Peck, New York. pp.626. 1978

Ausubel DP, Novak JD, Hanesian H.Psicologia educacional. Tradução de Eva Nick et al. 2ª ed. Rio de Janeiro: Interamericana. Tradução de: Educational Psichology. pp.626. 1980.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. PNLEM/2009. Brasília. 2008.

BRASIL. Edital de Convocação 01/2013 – CGPLI. Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o programa nacional do livro didático PNLD 2015. Brasília. 2013.

BRASIL. Guia PNLD. http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guias-do-pnld/item/5940-guia-pnld-2015 (Cons. 03/04/2015).

COSTA SC. Modelos mentais e resolução de problemas em física. Tese (Doutorado em Ciências) Universidade do Rio Grande do Sul, 2005. UFRGS. Porto Alegre. http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/7697/000554060.pdf?sequence=1 (Cons.10/11/2014).

CRUZ I. A. Geografia dos Serviços e sua Transposição Didática para o livro didático de Geografia do Ensino Fundamental. Dissertação (Dissertação do Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Pernambuco. Recife. 2007.

CUNHA GA, LIMA EC, SILVEIRA TA, Werkhaizer FE, Hosoume Y. O uso do Livro Didático em disciplinas de Física em cursos de graduação de ciências exatas. Simpósio Nacional de Física. PUC – Minas. http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xvii/sys/resumos/T0279-1.pdf (Cons. 30/08/2015).

DANIEL D, WOODY W. E-textbooks at what cost? Performance and use of electronic v. print texts. Computers & Education. 2013.

FERREIRA MS, SELLES SE. A produção acadêmica brasileira sobre livros didáticos em ciências: uma análise em periódicos nacionais. In: Encontro Nacional de pesquisa em Educação em Ciências, 4., Bauru. Anais. Bauru: [s. n.].2003.

FERREIRA J, OLIVEIRA A. Temáticas Ambientais em Livros Didáticos de Biologia: Possibilidades para o desenvolvimento da Educação Ambeintal Crítica. Revista Ciências&Ideias, v 7, n.2 – maio/Agosto 2016; pp. 21-37. 2016.

FREITAG B, MOTTA V, COSTA W. O estado da arte do livro didático no Brasil. Instituto nacional de estudos e pesquisas educacionais. Brasília. 1978.

HALLIDAY D, RESNICK R. Fundamentos de Física, volume 3: eletromagnetismo. Jearl Walker: tradução e revisão técnica Ronaldo Sérgio de Biasi. Rio de Janeiro: LTC. pp. 395. 2009.

LAJOLO M. Livro Didático: um (quase) manual de usuário. In: SEDIAE/INEP. Em aberto: livro didático e qualidade de ensino. Brasília, ano 16, n.69, jan./mar. 1996.

LORDE L. Engenheiro e professor, dois papéis em uma profissão: desafios e perspectivas na conciliação de identidades. XXXV COBENGE 2007. http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2007/artigos/290-Liane%20Ludwig%20Loder.pdf (Cons. 17/11/2014).

MACHADO V, PINHEIRO NAM. Investigando a metodologia dos problemas geradores de discussões: aplicações na disciplina de Física no ensino de engenharia. Ciência & Educação, v. 16, n. 3, pp. 525-542. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132010000300002&script=sci_arttext (21/09/2014).

MACHADO, KD. Teoria do eletromagnetismo. Ponta Grossa, UEPG. pp. 921.2000.

MEGGIOLARO, G. A abordagem da dualidade onda-partícula em livros didáticos de Física do Ensino Médio. Dissertação (mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Educação nas Ciências. Ijuí. pp.198. 2013.

MENEZES, L.C. Quanta Física, 3º ano. 2. Ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil. 2013.

MORAES. R, GALIAZZI, M.C. Análise textual discursiva. Ijuí: UNIJUÍ. pp.224. 2007.

MOREIRA, M.A.. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. http://www.if.ufrgs.br/~moreira/mapasport.pdf (Cons. 29/08/2015).

MOREIRA, M.A..Teorias dos campos conceituais de Vergnaud, o Ensino de Ciências e a pesquisa nesta área. Investigações em Ensino de Ciências. v.7, pp. 7-29. http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID80/v7_n1_a2002.pdf (Cons. 03/04/2015).

MOREIRA. M.A, Masini EFS.Aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro. 2001.

ROMANATO, M.C. O livro didático: alcances e limites. http://www.sbempaulista.org.br/epem/anais/mesas_redondas/mr19-Mauro.doc 2004.(Cons. 07/07/2011).

SILVA, B.V.C.Controvérsias sobre a natureza da luz: Uma aplicação didática. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Exatas e da Terra. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática. Natal – RN. 2010.

STEFANI. C, TSAPARLIS. G.Student’s Levels of Explanations, Models, and Misconceptions in Basic Quantum Chemistry: A Phenomenographic Study. Journal of research in Science Teaching. v. 46, n.5, pp. 520-536. 2009.. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/tea.20279/epdf (Cons. 04/05/2015).

VERGNAD, G. A classification of cognitive tasks and operations of thought involved in addition and subtraction problems. In Carpenter, T.; Moser, J.; Romberg, T. Addition and subtraction. A cognitive perspective. Hillsdale: Lawrence Erlbaum. pp. 39-59. 1882.

Publicado

2019-12-11

Como Citar

Meggiolaro, G. P., & Dos Santos, A. V. (2019). UMA PROPOSTA DE MAPAS CONCEITUAIS A PARTIR DA ABORDAGEM DO CONCEITO DE CAMPO ELÉTRICO EM LIVROS DIDÁTICOS. Vivências, 16(30), 47-62. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.103

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO