EDUCAÇÃO FÍSICA E A ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA POR GÊNERO: PERCEPÇÕES DE PROFESSORAS E PROFESSORES E DE ALUNAS E ALUNOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.135

Resumo

Este estudo teve como objetivo verificar quais as percepções dos professores e alunos sobre a organização das aulas de Educação Física separadas por sexo e mistas. O estudo é caracterizado, quanto aos objetivos, como descritivo e são sujeitos do estudo professores de Educação Física e escolares dos anos finais do Ensino Fundamental de duas escolas públicas, de um município de fronteira do Estado do Rio Grande do Sul, totalizando 160 alunos e 4 professores atuantes nestas escolas. Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se um questionário com questões abertas e fechadas que foi aplicado aos alunos e uma entrevista semiestruturada que foi realizada aos professores de Educação Física, as questões foram relativas às percepções das vivências/práticas das aulas de Educação Física e os aspectos positivos, negativos e preferência de organização das aulas mistas e separadas por sexo. Os resultados demonstraram que a escolha que obteve maior percentual por aulas separadas por sexo foi referente à escola “A” e na escola “B” os percentuais de preferência de aulas separadas por sexo e aulas mistas tiveram a mesma equivalência, em relação aos professores, observou-se um divisão nas escolhas e que esta não está relacionada com a organização da escola que atua, mas sim com a sua concepção de Educação Física.

Palavras-Chave: Educação Física Escolar. Professor. Aluno. Gênero.

Biografia do Autor

Thais Lima dos Santos, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS, Brasil

Licenciada em Educação Física - UNIPAMPA. Mestranda do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde - UNIPAMPA

Any Gracyelle Brum dos Santos, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS, Brasil

Licenciada em Educação Física - UNIPAMPA.

Vinicius Gonçalves Mariano, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS, Brasil

Licenciado em Educação Física - UNIPAMPA. Mestrando do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde - UNIPAMPA

Phillip Vilanova Ilha, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS, Brasil

Doutor em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Professor do magistério superior da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) e docente permanente do Programa de Pós-Graduação de Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Unipampa.

Referências

ALBUQUERQUE, Luís Rogério. A constituição histórica da educação física no Brasil e os processos da formação profissional. IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. III Encontro sul brasileiro de psicopedagogia, Anais, 26 a 9 de outubro de 2009 – PUCPR.

ALTMANN, H. Rompendo Fronteiras de Gênero: Marias (e) homens na Educação Física”.1998. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte,1988.

ALTMANN, H; AYOUB, E; AMARAL, Silvia Cristina Franco. Educação Física Escolar E Igualdade De Gênero: Um Estudo Transcultural – Primeiras Aproximações. XVI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e III Congresso Internacional de Ciências do Esporte Salvador. Bahia, 2009.

AUAD, D. Educar meninas e meninos: Relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006.

BARDIN, L.(2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

BORSA, J.C. O papel da escola no processo de socialização infantil. Rio Grande do Sul, 2007. Disponível em: http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0351.pdf

Acesso em: 13 de dezembro de 2018.

BRACHT, W. Educação física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRASIL, Lei de Diretrizes e B. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

_______. Decreto n. 69.450, de 1º de novembro de 1971. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2 nov. 1971.

_______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: ensino fundamental. Brasília: MEC, 2017.

_______. Ministério da Saúde. Promoção da saúde. Carta de Ottawa, declaração de Adelaide, declaração de Sundswal e declaração de Bogotá. Brasília: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz, 1996.

DAÓLIO, J. A ordem e a (des)ordem na educação física brasileira. Revista Brasileira das Ciências do Esporte, Campinas, v. 25, n.1, p. 115-127, set. 2003.

DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-41.

DORNELLES, P.G.; FRAGA, A.B. Aula Mista Versus Aula Separada? Uma questão de gênero recorrente na educação física escolar. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física – ISSN 2175-8093 – Vol. 1, n. 1, p.141-156, Agosto/2009.

DUARTE, C. P.; OLIVEIRA, F. F. Discurso dos professores e professoras de educação física sobre o relacionamento de meninos e meninas. In: Simpósio Temático Gênero e sexualidade nas práticas escolares. Florianópolis, 2006.

FERREIRA, H.S. Apostila para concurso de professores de Educação Física SD3: Tendências da Educação Física. Trabalho não publicado. Fortaleza, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2012.

GOELLNER, S, V.; FRAGA, A, B. O espetáculo do corpo: mulheres e exercitação física no início do século XX. In: CARVALHO, Marie J. S.; ROCHA, Cristianne, M. F. Produzindo Gênero. Porto Alegre: Sulina, 2004, p.161-171.

LIMA, F. M.; DINIS, N. F. Corpo e gênero nas práticas escolares de Educação Física. Currículo sem Fronteiras, v.7, n.1, p.243 - 252, Jan/Jun, 2007.

LIRA, M.H.C, SOUZA, E.F. Turmas Mistas com aulas separadas: Lembrança da Educação Física em escolas católicas do Recife-PE na década de 1970. Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v.6, n.18 p.80-93, set. /dez. 2016.

LOUZADA, M. et. al. Representações de docentes acerca da distribuição dos alunos por sexo nas aulas de Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 28, n.2, p.55-68, jan. 2007.

PAIVA, Fernanda Simone Lopes. Notas para pensar a educação física a partir do conceito de campo. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. especial, p. 51-82, jul. /dez. 2004.

PEREIRA, S. A. O sexismo nas aulas de Educação Física: uma análise dos desenhos infantis e dos estereótipos de gênero nos jogos e brincadeiras. 2004. 257 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2004.

SARAIVA, M. do C. Por que investigar as questões de gênero no âmbito da Educação Física, Esporte e Lazer? Motrivivência, v.13, n. 19, p. 79-85, 2002.

SOARES, C. L. Educação física: raízes européias e Brasil. Campinas: Autores Associados, 1994.

VERBENA, E. C. G. Esporte e gênero: representações entre estudantes da rede pública municipal de Juiz de Fora. 2001. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, 2001.

Publicado

2020-06-29

Como Citar

dos Santos, T. L., Brum dos Santos, A. G., Mariano, V. G., & Ilha, P. V. (2020). EDUCAÇÃO FÍSICA E A ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA POR GÊNERO: PERCEPÇÕES DE PROFESSORAS E PROFESSORES E DE ALUNAS E ALUNOS. Vivências, 16(31), 49-61. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.135

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO