O QUE DIZEM AS PESQUISAS ACERCA DA MOTIVAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i32.137

Resumo

O presente trabalho contempla um recorte do trabalho de conclusão de curso de Pós-Graduação Latu Sensu em Orientação Educacional. No decorrer do curso muito se discutiu sobre a orientação educacional e os desafios da permanência e da motivação dos estudantes em contexto escolar. Diante disso, com base no referencial histórico cultural de Leontiev (2012) buscamos entender como o termo motivação vem sendo compreendido junto ao ensino de Química e quais as estratégias ou práticas de ensino que estão relacionadas. Os resultados foram construídos mediante uma revisão bibliográfica na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), no período de 2000 a 2019 e a análise foi de cunho qualitativo e documental. Como um desafio à motivação dos estudantes identificamos algumas limitações frente ao ensino, entre outras, a redução da prática de aprender para a memorização de termos e de teorias isoladas que são pouco significativas. Ainda, outra limitação apontada foi a dificuldade que os alunos apresentam em compreender algum fenômeno e relacioná-lo com a química. E, como alternativa frente às limitações, foi possível evidenciar a presença da motivação pelo uso da experimentação em contexto escolar por meio de minicursos, kit experimentais e oficinas.

Referências

ARIAS, I.; FRISON, M. Necessidades , motivos e sentidos que mobilizam professores para a atividade de ensino e participação em grupos constituídos na interface Universidade e Escola. Revista Tecné, Episteme y Didaxis, 2018. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/8856/6638. Acesso em 13 de set. 2019.

CALVE, T. M.; ROSSLER, J. H.; DA SILVA, G. L. R. A aprendizagem escolar e o sentido pessoal na Psicologia de A. N. Leontiev. Psicologia Escolar e Educacional, v. 19, n. 3, p. 435–444, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v19n3/2175-3539-pee-19-03-00435.pdf. Acesso em 13 de set. 2019.

CHICRALA, K. J. S. As atividades experimentais educativas como Complemento e motivação no ensino - Aprendizagem de química no ensino médio. 2015. 67 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Química) - Universidade Federal de São Carlos, Curso de pós-graduação em química, São Paulo, 2015. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/SCAR_2288e8b10752b8ff2f36f109758bc832. Acesso em 13 de set. 2019.

FAITANINI, B. D. Motivação de alunos na preparação e demonstração de experimentos para a divulgação de química: Um olhar a partir da teoria da autodeterminação. 2018. 169 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) - Universidade Federal de São Carlos, Curso de pós-graduação profissional em Educação, São Paulo, SP, 2018. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/SCAR_ab78409bdcd320d2805b94dd38abf95b. Acesso em 13 de set. 2019.

FERREIRA, J. A. DE M. G. Dificuldades de aprendizagem do conteúdo de soluções: proposta de ensino contextualizada. 2013. 120 f. Tese. (Doutorado em Química) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Curso de pós-graduação em Química, Natal, RN, 2013. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFRN_1a5aef96df018348acf8a99f0062dab2. Acesso em 13 de set. 2019.

GRINSPUN, M. P. S. Z. A Orientação Educacional: Conflito de paradigmas e alternativas para a escola – 5. Ed. – São Paulo: Ed Cortez, 2011.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à Teoria do Desenvolvimento da Psique Infantil In: Vigotski, L. S., Luria, A. R., Leontiev, A. N. (orgs.). Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem 12ª ed.- São Paulo: Ícone, 2012.

LOVATE, R.; VOGEL, M. Discentes: o que os motiva em relação às aulas de Química. XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (XVI ENEQ) e X Encontro de Educação Química da Bahia (X Eduqui), p. 2012, 2012. Disponível em: http://www.eneq2012.qui.ufba.br/modulos/submissao/Upload/41753.pdf. Acesso em 13 de set. 2019.

LÜDKE, M., ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2 edição – Rio de Janeiro: E. P. U., 2013.

MALDANER, O. A., ZANON, L. B. A Química Escolar na Inter-Relação com Outros Campos de Saber In: WILDSON, L. P. S., MALDANER, O. A. (orgs.). Ensino de Química em Foco – Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

MOURA, M. O., et al., A atividade Orientadora de Ensino como Unidade entre Ensino e Aprendizagem In: MOURA, M. O. (org.). A atividade pedagógica na teoria Histórico-Cultural – Brasília: Liber livro, 2010.

PAULETTI, F.; FENNER, R. S. F.; ROSA, M. P. A. A Linguagem Como Recurso Potencializador No Ensino De Química. Revista Perspectiva, v. 37, p. 7–17, 2013. Disponível em: http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/139_358.pdf. Acesso em 13 de set. 2019.

SILVA, L. H. de A.; ZANON, L. B. A experimentação no ensino de ciências. In: SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. Ensino de Ciências: Fundamentos e Abordagens. São Paulo, UNIMEP/CAPES, 2000. p.120-153.

WENZEL, J. S. A Escrita em Processos Interativos: (Re)significando conceitos e a prática pedagógica em aulas de química - Curitiba: Ed. Appris, 2014.

Publicado

2020-12-14

Como Citar

Batista, L. S., & Wenzel, J. S. (2020). O QUE DIZEM AS PESQUISAS ACERCA DA MOTIVAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA?. Vivências, 17(32), 57-67. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i32.137

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO