EFEITOS DE DIFERENTES PROGRAMAS DE EXERCÍCIOS EM MULHERES COM OSTEOPOROSE

Autores

  • Rogelsi Maura Benati UNIVERSISDADE DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI ERECHIM
  • Natieli Nunes da Costa
  • André Campos de Lima
  • Cristian Lenon Andreolla
  • Mateus Rech
  • Mari Lúcia Sbardelotto Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões URI Erechim/RS
  • Janesca Mansur Guedes Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões URI Erechim/RS

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i32.194

Resumo

Resumo: A osteoporose é uma doença osteometabólica sistêmica progressiva, caracterizada por uma gradativa diminuição da massa óssea e consequente deterioração na microarquitetura do tecido ósseo, o que por sua vez, leva a uma fragilidade mecânica. Objetivo: Verificar os efeitos da aplicação de diferentes programas de exercícios em mulheres com osteoporose, antes e após um programa de treinamento de força, equilíbrio e combinado (equilíbrio e força) em mulheres com osteoporose. Metodologia: A amostra foi composta por 23 mulheres com diagnóstico densitométrico de osteoporose, divididas em três grupos de intervenção – treinamento de equilíbrio (TE=8), treinamento de força (TF=7) e treinamento de equilíbrio e força (TEF=8). O estudo teve duração de 10 semanas, duas vezes por semana, após, as variáveis reavaliadas. As diferenças intragrupo foram analisadas através do teste t-student amostra pareada e as diferenças entre os grupos pelo ANOVA two-way, foi considerado significativo um p≤0,05. Resultados: O grupo TE apresentou resultados significativos na força muscular dos flexores de ombro direito, e os três grupos tiveram acréscimos significativos na força dos extensores de joelho bilateralmente. Houve aumento dos níveis de HDL e redução na taxa de triglicerídeos no grupo TF. Observou-se melhora no equilíbrio, na flexibilidade e na qualidade de vida nos três grupos, sendo que, os grupos TE e TEF apresentaram aumento significativo na QDV quando comparados ao grupo TF. Conclui-se, portanto, que a prática de exercícios físicos regular e orientado influencia positivamente na força muscular, na flexibilidade, no equilíbrio, no perfil lipídico e a qualidade de vida de mulheres com osteoporose.

 

 

 

Palavras-Chave: Osteoporose. Força muscular. Equilíbrio. Qualidade de vida.

Biografia do Autor

Rogelsi Maura Benati, UNIVERSISDADE DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI ERECHIM

Fisioterapeuta.

Natieli Nunes da Costa

Fisioterapeuta.

André Campos de Lima

Profissional de Educação Física

Cristian Lenon Andreolla

Profissional de Educação Física

Mateus Rech

Profissional de Educação Física

Mari Lúcia Sbardelotto, Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões URI Erechim/RS

Profissional de Educação Física. Graduada pela Universidade de Passo Fundo. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Docente do Curso de Educação Física da URI

Janesca Mansur Guedes, Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões URI Erechim/RS

Fisioterapeuta. Graduada pela Universidade de Passo Fundo. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Docente do Curso de Fisioterapia da URI – Erechim e do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia URI/IOT

Referências

ALMEIDA, A.P.P.V.; VERAS, R.P.; DOIMO, L.A. Avaliação do equilíbrio estático e dinâmico de idosas praticantes de hidroginástica e ginástica. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 12, n. 1, p. 55-61, 2010.

ANJOS, E.M.; CUNHA, M.R.; RIBAS, D.I.R.; GRUBER, C.R. Avaliação da performance muscular de idosas não sedentárias antes e após aplicação de um programa de exercícios de equilíbrio. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 15, n. 3, p. 459-467, 2012.

AVEIRO, Mariana Chaves. Influência de um programa de atividade física sobre o torque muscular, o equilíbrio, a velocidade da marcha e a qualidade de vida de mulheres portadoras de osteoporose. 2005. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) – Pós-Graduação em Fisioterapia do CCBS, UFSCar, São Carlos, 2005.

BANDEIRA, F.; CARVALHO, E.F.; THEODÓSIO, C. Epidemiologia, genética e patogênese da osteoporose. In: BANDEIRA, F. Osteoporose. Rio de Janeiro: MEDSI, 2000.

BELMONTE, L.M.; LIMA, I.A.X.; BELMONTE, L.A.O.; GONÇALVES, V.P.; CONRADO, J.C.; FERREIRA, D.A. Força de preensão manual de idosos participantes de grupos de convivência. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 27, n. 1, p. 85-91, 2014.

BENEDETTI, T.R.B.; PETROSKI, E.L.; GONÇALVES, L.T. Exercícios físicos, autoimagem e autoestima em idosos asilados. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v.22, n. 2, p. 69-74, 2004.

BENEDETTI, T.R.B.; BORGES, L.J.; PETROSKI, E.L.; GONÇALVES, L.H.T.G. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Revista Saúde Pública, v. 42, n. 2, p. 302, 2008.

BENTO, P.C.B.; RODACKI, A.L.F.; HOMANN, D.; LEITE, N. Exercícios físicos e redução de quedas em idosos: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 12, n. 6, p. 471-479, 2010.

BERG, K.O.; WOOD-DAUPFINEE, S.L.; WILLIAMS, J.I.; MAKI, B. Measuring balance in the elderly: validation of an instrument. Canadian Journal of Public Health. 83 (Suppl 2): S7-S11, 1992.

BITTAR, C.; LIMA, L.C.V. O impacto das atividades em grupo como estratégia de promoção da saúde na senescência. Revista Kairós Gerontologia, v. 14, n. 4, p. 101-118, 2011.

BLOCK, I.T.; GONÇALVES, K.K.; MEYER, M.T.; BENEDITO, J.R. S.; LIBERALI, R. Análise da flexibilidade muscular em idosos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 2, n. 7, p. 141-148, 2008.

BURKE, Thomaz.Nogueira. Eficácia da fisioterapia sobre a postura e o equilíbrio em idosas com osteoporose: ensaio clínico randomizado. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

AVEIRO, Mariana Chaves. Influência de um programa de atividade física sobre o torque muscular, o equilíbrio, a velocidade da marcha e a qualidade de vida de mulheres portadoras de osteoporose. 2005. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) – Pós-Graduação em Fisioterapia do CCBS, UFSCar, São Carlos, 2005.

CAMPOS, M.A. Musculação: diabéticos, osteoporóticos, idosos, crianças e obesos. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2001.

CANDELORO, J.M.; CAROMANO, F.A. Efeito de um programa de hidroterapia na flexibilidade e na força muscular de idosas. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 11, p. 4, p. 303-309, 2007.

DIAS, J.A.; OVANDO, A.C.; KÜLKAMP, W.; BORGES, J.R.N.G. Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam a medida. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 12, n. 3, p. 209-216, 2010.

FERREIRA, N.; ARTHUSO, M.; SILVA, R.B.; PINTO-NETO, A.M.; COSTA-PAIVA, L. Validation of the Portuguese version of the Quality of Life Questionnaire of the European Foundation for Osteoporosis (QUALEFFO-41) in Brazilian women with postmenopausal osteoporosis with vertebral fracture. Clinical Rheumatology, v. 32, n.11, p. 1585-1592, 2013.

FIDELIS, L.T.; PATRIZZI, L.J.; WALSH, I.A.P. Influência da prática de exercícios físicos sobre a flexibilidade, força muscular manual e mobilidade funcional em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 16, n. 1, p. 109-116, 2013.

GALI, J.C. Osteoporose. ACTA Ortopedia Brasileira. v. 9, n. 2, p. 1-10, 2001.

GERALDES, A.A.R.; OLIVEIRA, A.R.M.; ALBUQUERQUE, R.B.; CARVALHO, J.M.; FARINATTI, P.T.V. A força de preensão manual é boa preditora do desempenho funcional de idosos frágeis: um estudo correlacional múltiplo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 14, n. 1, p. 12-16, 2008.

HENRIQUES, Sylvia Helena Ferreira da Cunha. Alterações musculoesqueléticas de risco para quedas em mulheres na pós-menopausa com osteoporose. 2004. Tese (Doutorado em Tocoginecologia) – Faculdade de Ciências Médicas,Universidade Estadual de Campinas,Campinas, 2004.

HOLLAND, G.J.; TANAKA, K.; SHIGEMATSU, R.; NAKAGAICHI, M. Flexibility and physical functions of older adults: a review. J Aging Phys Act, v. 10, n. 2, p. 169-206, 2002.

IMBODEN, Jonh B.; HELLMANN, David B.; STONE, Jonh H. CURRENT reumatologia: diagnóstico e tratamento. 3ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

KIM, S.W.; LEE, H.A.; CHO, E.H. Low handgrip strength is associated with low bone mineral density and fragility fractures in postmenopausal healthy korean women. Journal of Korean Medical Science, v. 27, n. 7, p. 744-747, 2012.

LEITE, L.E.A.; RESENDE, T.L.; NOGUEIRA, G.M.; CRUZ, I.B.M.; SCHNEIDER, R.H.; GOTTLIEB, M.G.V. Envelhecimento, estresse oxidativo e sarcopenia: uma abordagem sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 15, n. 2, p. 365-380, 2012.

LOPES, L.; DALMUT, A.B.; AZEVEDO, L.S.; VALÉRIO, V.; COPPATTI, N.; BONA, C.C. Pico de torque e relação isquiotibiais / quadríceps de idosas praticantes de ginástica em dois grupos de convivência no contexto Passo Fundo – RS. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, v. 7, n. 1, p. 42-51, 2010.

LINO, A.S.; SILVA, N.Q.; NÓBREGA, M.; CABRAL, S.; SANTOS, D.P.; SILVA, A. P.; NEVES, A.P.M.; OLIVEIRA, J.D.; PAULA, M.M.M.X.; PAIVA, A.C.C.; SANTOS, J.O.G.S. Comparação do perfil lipídico e proteico entre adultos sedentários e idosos ativos em uma população selecionada na cidade de Patos-PB. Intesa Pompal, v. 9, n. 1, p. 86-90, 2015.

LOURES, L.; GAMA, J.; NUNES, J.; LOPEZ-PIÑEIRO, A. “Assessing the Sodium Exchange Capacity in Rainfed and Irrigated Soils in the Mediterranean Basin Using GIS”. Sustainability, v. 9, n. 405, p. 1-12, 2017.

LYNN, S.; SINAKI, M.; WESTERLIND, K. Balance characteristics of persons with osteoporosis. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation. 1997.

MADUREIRA MM, TAKAYAMA L, GALLINARO AL, CAPARBO VF, COSTA RA, PEREIRA, R.M.R. Balance training program is highly effective in improving functional status and reducing the risk of falls in elderly women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporosis International, v. 18, n. 4, p. 419-425, 2007.

MADUREIRA, Melisa Moreira. Eficácia de um programa de treino de equilíbrio na qualidade de vida e na redução de quedas em pacientes com osteoporose: estudo randomizado e controlado. 2010.Tese (Doutorado em Ciências) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

MATSUDO, S.M.; MATSUDO, V.K.R.; BARROS, T.L.N. Atividade Física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 7, n. 1, p. 2-13, 2011.

MIYAMOTO, H.; DOHM, J.M.; BEYER, R.A.; BAKER, V.R. Fluid dynamical implications of anastomosing slope streaks on Mars. Journal Geophysical Research, 109(E06008), p.1-14, 2004.

NONATO, Guilherme de Paula Marinho. Efeitos de um programa de fisioterapia aquática em mulheres com osteoporose. 2010. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) – Pós-Graduação em Fisioterapia do CCBS, UFSCar,São Carlos, 2010.

OLIVEIRA, Anamaria Siriani. Fisioterapia aplicada aos idosos portadores de doenças reumáticas. In: REBELATTO, José Rubens, MORELLI, José Geraldo da Silva. Fisioterapia geriátrica: a prática da assistência ao idoso. Barueri: Manole, 2004.

PANISSON, Renata D’Agostini Nicolini. Valores normativos para o teste TimedUp& Go em pediatria e validação para pacientes com síndrome de Down. 2012. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança) – Faculdade de Medicina, PUCRS, Porto Alegre, 2012.

PRADO, R.A.D.; EGYDIO, P.R.M.; TEIXEIRA, A.L.C.; IZZO, P.; LANGA, C.J.S.O. A influência dos exercícios resistidos no equilíbrio, mobilidade funcional e na qualidade de vida de idosas. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 183-191, 2010.

PUERRO NETO, J.; RASO, W.; BRITO, C.A.F. Mobilidade funcional em função da força muscular em mulheres idosas fisicamente ativas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 21, n. 5, p. 369-371, 2015.

REBELATTO, J.R.; CASTRO, A.P.; CHAN, A. Quedas em idosos institucionalizados: características gerais, fatores determinantes e relações com a força de preensão manual. Acta Ortopédica Brasileira, v. 15, n. 3, p. 151-154, 2007.

REBELATTO, J.R.; CALVO, J.I.; OREJUELA, J.R.; PORTILLO, J.C. Influência de um programa de atividade física de longa duração sobre a força muscular manual e a flexibilidade corporal de mulheres idosas. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 10, n. 1, p. 127-132, 2006.

RIGGS, B.L.; MELTON, L.J. Evidence for two distinct syndromes of involutional osteoporosis. American Journal of Medicine, v. 75, n. 6, p. 899-901, 1983.

SILVA, A.; ALMEIDA, GJM.; CASSILHAS, R.C.; COHEN, M.; PECCIN, M.S.; TUFKI, S.; MELLO, M.T. Equilíbrio, coordenação e agilidade de idosos submetidos à prática de exercícios físicos resistidos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 14, n. 2, p. 88-93, 2008.

SKARE, T.L. Reumatologia: princípios e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.

SOARES, M.A.; SACCHELLI, T. Efeitos da cinesioterapia no equilíbrio de idosos. Revista de Neurociências, v. 16, n. 2, p. 100, 2008.

TEIXEIRA, C.S.; PEREIRA, E.F. Alterações morfológicas associadas ao envelhecimento humano. Lecturas Educación Física y Desportes, v. 1, n. 1, p.1-1, 2010.

VINCENT, K.R.; BRAITH, R.W.; FELDMAN, R.A.; KALLAS, H.E.; LOWENTHAL, D.T. Improved cardiorespiratory endurance following 6 months of resistance exercise in elderly men and women. Archives of Internal Medicine, v. 162, n. 6, p. 673-678, 2002.

WIBELINGER, L.M.; TONIAL, A.; OLIVEIRA, G. Torque muscular de flexores e extensores de joelho de mulheres idosas com osteoporose. RBCEH, v. 6, n. 3, p. 353-361, 2009.

WIECHMANN, M.T.; RUZENE, J.R.S.; NAVEGA, M.T. O exercício resistido na mobilidade, flexibilidade, força muscular e equilíbrio de idosos. ConScientiae Saúde, v. 12, n. 2, p. 219-226, 2013.

Publicado

2020-12-14

Como Citar

Benati, R. M., Costa, N. N. da, Lima, A. C. de, Andreolla, C. L., Rech, M., Sbardelotto, M. L., & Guedes, J. M. (2020). EFEITOS DE DIFERENTES PROGRAMAS DE EXERCÍCIOS EM MULHERES COM OSTEOPOROSE. Vivências, 17(32), 253-268. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i32.194

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO