O BEBÊ E SEUS EDUCADORES: A EDUCAÇÃO INFANTIL COMO POSSIBILIDADE NO DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO

Autores

  • João Francisco Greff do Amaral UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES
  • José Vicente Nunes de Alcantara UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i32.375

Resumo

O presente artigo traduz os percursos ao longo de dois anos de pesquisa longitudinal, tendo como tema o processo de constituição psíquica nos bebês/crianças inseridos precocemente em Escolas Municipais de Educação Infantil. A fim de investigar as possíveis consequências das longas jornadas fora de casa, procuramos verificar a qualidade das relações estabelecidas entre educador-criança, bem como, identificar possíveis interferências no curso saudável do desenvolvimento psíquico dos infantes que frequentam berçários durante os primeiros anos de vida. Participaram deste estudo 7 escolas municipais de Santo Ângelo/RS (14 professores e 20 bebês), os quais foram acompanhados através de visitas semanais nas instituições pelo período de nove meses. Em um primeiro momento, utilizou-se dos instrumentos: Entrevista Fase I com Educadores; Ficha Pré-testes e Protocolo IRDI. As respectivas ferramentas fizeram parte da primeira avaliação do ambiente e da relação educador-bebê. As observações semanais foram descritas em Diário de Campo. Posteriormente, realizou-se um curso de formação para educadores. Os pesquisadores reuniram-se semanalmente a fim de realizar seminários de estudo e discutir os dados obtidos através das observações. Ao término de nove meses de acompanhamento dos bebês, foi feita uma avaliação final através do Protocolo IRDI, caso houvesse uma possibilidade de risco ao desenvolvimento infantil, o bebê e sua família poderiam ser encaminhados para a Clínica Escola de Psicologia da URI. Os resultados da pesquisa indicam que quando o educador atua de modo suficientemente bom, ele exerce uma prevenção em face de patologias psíquicas, que podem vir a surgir nos primeiros anos de vida.

Biografia do Autor

João Francisco Greff do Amaral, UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES

Graduando do 10° semestre do curso de psicologia da Univerrsidade Regional Integrada do ALto Uruguai e das Missões, Santo Ângelo. Bolsista de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Iniciação Científica PIIC/URI. 

José Vicente Nunes de Alcantara, UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul(1990), especialização em Psicanálise e Clínicas Psicológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul(1995) e mestrado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul(1998). Atualmente é Professor Tempo Integral da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Membro de comitê assessor da URI, Membro de comitê assessor da URI e Psicólogo Clínico do Consutório Particular.

Referências

CORIAT, Elsa. A Psicanálise na clínica de bebês e crianças pequenas. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1997.

CORIAT, Elsa. e JERUSALINSKY, Alfredo. Desenvolvimento e maturação. In: Escritos da Criança nº 1. 2º Edição. - Centro Lydia Coriat – Porto Alegre, 1996.

FERRARI, Andrea; ROSA SILVA, Milena e CARDOSO, Jefferson Lopes. O impacto da Metodologia IRDI na prevenção de risco psíquico em crianças que frequentam creche no seu primeiro ano de vida. UFRGS, 2013.

JERUSALINSKY, Alfredo. Psicanálise e Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

JERUSALINSKY, Julieta. Quem é o Outro do sujeito na primeira infância? Considerações sobre o lugar da família na clínica com bebês. 2005. Disponível em: <http://www.estadosgerais.org/encontro/IV/PT/trabalhos/Julieta_Jerusalinsky.pdf>. Acessado em: 20 Nov de 2010.

KUPFER, Maria Cristina ET AL. Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American .Journal of Fundamental. Psychopathology, v. 6, n.1, p.48-68, 2009.

KUPFER, Maria Cristina; BERNARDINO, Nara Mariza Fischer e MARIOTTO, Rosa Maria Marini. Metodologia IRDI: uma intervenção com educadores de creche a partir da psicanálise. In: KUPFER, Maria Cristina; BERNARDINO, Nara Mariza Fischer e MARIOTTO, Rosa Maria Marini.(Org.). De bebê a sujeito: a Metodologia IRDI nas creches, São Paulo: Escuta/Fapesp, 2014. p.15-21.

KUPFER, Maria Cristina e VOLTOLINI, Rinaldo. Uso de indicadores em pesquisas de orientação psicanalítica: um debate conceitual. In: LERNER, Rogério e KUPFER, Maria Cristina. Psicanálise com crianças: clínica e pesquisa. São Paulo: Escuta, 2008.p. 93-107.

MARIOTTO, Rosa Maria Marini. Cuidar, Educar e Prevenir: as funções da creche na subjetivação de bebês. São Paulo: Escuta, 2009.

SIBEMBERG, N. Autismo e linguagem. In. Escritos da Criança nº 5. - Centro Lydia Coriat – Porto Alegre, 1998.

Publicado

2020-12-14

Como Citar

Greff do Amaral, J. F., & Nunes de Alcantara, J. V. (2020). O BEBÊ E SEUS EDUCADORES: A EDUCAÇÃO INFANTIL COMO POSSIBILIDADE NO DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO. Vivências, 17(32), 471-483. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i32.375

Edição

Seção

ARTIGOS DO PRÊMIO DESTAQUE