ENSINO DE HISTOLOGIA E ANATOMIA DO APARELHO REPRODUTOR FEMININO ATRAVÉS DE METODOLOGIAS ATIVAS COM ALUNAS DO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Vanessa Lago Morin Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Curso de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Santa Maria, RS, Brasil. Mestre em Ciências da Saúde. E-mail: nessamorin@yahoo.com http://orcid.org/0000-0001-7229-7825
  • Everton Lüdke Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Curso de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Santa Maria, RS, Brasil. Professor Titular.E-mail: eludke@hotmail.com http://orcid.org/0000-0002-3863-6069

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.52

Resumo

O Ensino de Ciências surge como grande aliado para auxiliar o cidadão no exercício da cidadania e na compreensão do mundo em que vive, uma vez que oportuniza a vivência de diversas áreas do conhecimento, capaz de proporcionar ao aluno consciência da sua realidade e da sua capacidade de transformar. No entanto, infelizmente tal ensino nas escolas ainda é um grande desafio a ser enfrentado, pois a teoria e a prática se desvinculam, tornando os conteúdos que deveriam ser práticos, em pura teoria. Este estudo é um relato de experiência sobre uso de metodologias ativas no ensino de conteúdos relativos a anatomia e histologia do trato reprodutor feminino para alunas do Ensino Médio. Foram realizados dois encontros: um sobre anatomia do sistema reprodutor feminino com o auxílio de molde anatômico em gesso, para pintar e nomear, figuras para colorir e nomear e imagens apresentadas em Data Show; e o segundo sobre histologia do aparelho reprodutor feminino no qual lançou-se mão do uso de lâminas de cortes histológicos de útero, ovário, mama, hipófise e testículo de pequenos mamíferos, visualizadas através de microscopia eletrônica e posteriormente desenhada pelas alunas. Observou-se, através dos recortes de fala das educandas, um aprendizado significativo e o estabelecimento de relações diretas e práticas entre os conteúdos, facilitando o aprendizado dos conteúdos e aplicação dos mesmos em situações práticas de vida diárias e de autocuidado.

 

Biografia do Autor

Vanessa Lago Morin, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Curso de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Santa Maria, RS, Brasil. Mestre em Ciências da Saúde. E-mail: nessamorin@yahoo.com

Fisioterapeuta, Especialista em Materno Infantil pelo Programa de Residência Multiprofissional da UFSM, Mestre em Ciências da Saúde, pela UFSM e doutoranda do Programa de Pós-graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da UFSM. Com Experiência profissional docente em cursos de graduação em Fisioterapia na Universidade Franciscana, como professor titular e na Universidade Federal de Santa Maria, como professor substituto. Assim como, atuação como professora preceptora de campo e núcleo (fisioterapia) do Programa de Residência Multiprofissional da UFSM.

Everton Lüdke, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Curso de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Santa Maria, RS, Brasil. Professor Titular.E-mail: eludke@hotmail.com

Licenciado em Física pela UFSM (1984-1987), Mestre em Fìsica pela UFRGS (1988-1990), PhD pela University of Manchester, Reino Unido (1990-1994). Professor Titular, Departamento de Fìsica, Universidade Federal de Santa Maira, CCNE (1996-presente).  

Referências

ALMEIDA, P. S; FREIXO, A. A. Concepções de professores de uma escola estadual sobre o papel da experimentação para o ensino de ciências. Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, Rio de Janeiro, n. 7, p. 6209-6221, 2014.

ANDRADE, M. L.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciências & Educação, Bauru, v.17, n. 4, p. 835-854, 2001.

ARAÚJO, C. M., STARLING, G., BRITO, A. Z. P., PEREIRA, A. e MACIEL, V. F. A. Arte no ensino da citologia. In: Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC, Águas de Lindóia, SP – 10 a 14 de novembro de 2013. Disponível em http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R04391.pdf acessado em 15 de julho de 2019.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização cientifico-tecnológica pra quê?. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte-MG, v. 3, n. 1, p. 01-13, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar da educação básica 2016 notas estatísticas. Brasília – DF, fevereiro de 2017. Disponível em :<http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/20 17/notas_estatisticas_censo_escolar_da_educacao_basica_2016.pdf>. Acesso em: 15 julho. 2019.

CALLEGARIO, L. J.; BORGES, M. N. Aplicação do vídeo “Química na Cozinha” na sala de aula. ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, v. 15, p. 21, 2010.

CAMARGO, E. P. Consolidação de linha de pesquisa sobre ensino de ciências e alunos com necessidades especiais. I Congreso Latinoamericano de Investigación en Didáctica de las Ciencias Experimentales. Desafíos de La educación científica hoy. Comunicaciones Orales - Grupo 11. Uso de modelos para la Investigación y la enseñanza de las ciencias desde diferentes perspectivas y acepciones, y algunos temas transversales. 2012.

CAMPOS, L. M. L., BORTOLOTTO, T. M. FELICIO, A. K. C. A Produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. São Paulo: UNESP, 2003. Disponível em: <http://www.unesp.br/ prograd/PDFNE2002/aproducaodejogos.pdf>. Acesso em 15 julho, 2019.

CAON, C. M. Concepções de professores sobre o ensino e aprendizagem de ciências e biologia. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

CEARÁ. Metodologias de apoio: áreas de Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Fortaleza: Seduc, 2008.

COSTA, L. C; PANSERA-DE-ARAÚJO, M. C.; BIANCHI, V. Sistemas digestório, respiratório e circulatório Humanos em livros didáticos de Biologia de Ensino Médio. Revista Biografía Escritos sobre la biología y su enseñanza, v. 10, n. 18, p. 19-27, 2017.

CRUZ, D. A. Atividades Prático-Experimentais: Tendências e Perspectivas. In.: PARANÁ. Secretara de Educação do Paraná. Dia-a-dia Educação: Programa de desenvolvimento Educacional. Universidade estadual de Londrina, Londrina, 2008. p. 1-27. Disponível em: <http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_dalv a_aparecida_cruz.pdf>. Acesso em 15 de julho de 2019.

CRUZ, T. F. A. et al. Aprender ciências é divertido: contribuição de uma atividade de extensão. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 141-149, 2016.

DANGELO, J.G.; FATTINI, C.A. A anatomia humana básica. 2ed. São Paulo: Atheneu, 2007.

DA SILVA, Rosimeire Alves et al. O ensino da anatomia através das artes cênicas. Arquivos do Museu Dinâmico Interdisciplinar, v. 5, n. 1, p. 9-14, 2001.

DA SILVA, Rosimeire Alves; GUIMARÃES, Maricélio Medeiros. Arte educação: facilitando o ensino de morfologia. Educere-Revista da Educação da UNIPAR, v. 4, n. 1, 2008.

DUARTE, M.F.S.; REIS, H.J.D.A.; SÁ-SILVA, J.R. Discursos sobre o corpo humano em um livro didático de ciências do oitavo ano do ensino fundamental. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 10, n. 1, 2017.Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/4745/1753. Acesso em 15 julho 2019.

FERREIRA, P. M. P., MOURA, M. R., COSTA, N. D. J., SILVA, J. N., PERON, A. P., ABREU, M. C. e PACHECO, A. C. L. Avaliação da importância de modelos no ensino de biologia através da aplicação de um modelo demonstrativo da junção intercelular desmossomo. Revista Brasileira de Biociências. Porto Alegre, v. 11, n. 4, p. 388-394, out./dez. 2013.

FRACALANZA, H. O que sabemos sobre os livros didáticos para o ensino de ciências no Brasil. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas: UNICAMP, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 21. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GUERRA, R. A. T et al. Cadernos Cb virtual 7. João Pessoa: Editora Universitária, 2011.

JUSTINA, L. A. D., FERLA, M. R. A utilização de modelos didáticos no ensino de Genética - exemplo de representação de compactação do DNA eucarioto. Arq Mudi.10(2):35-40. 2006.

KWON, S. Y. e CIFUENTES, L. The comparative effect of individually-constructed vs. collaboratively-constructed computer-based concept maps. Computers & Education, v. 52, n. 2, p. 365-375, 2009.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LIMA, K. E. C.; VASCONCELOS, S. D. O professor de Ciências das escolas municipais de Recife e suas perspectivas de educação permanente. Ciências & Educação, v.14, n.2, p. 347-367, 2008.

LIMA, D. B.; GARCIA, R. N. Uma investigação sobre a importância das aulas práticas de Biologia no Ensino médio. Caderno de Aplicação, Porto Alegre, v.24, n. 1, jan/jun. 2011.

LIMA, G. H. et al. O uso de atividades práticas no ensino de ciências em escolas públicas do município de Vitória de Santo Antão - PE. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 19-27, 2016.

MANDARINO, M. C. F. Organizando o trabalho com vídeo em sala de aula. Revista Morpheus-Estudos Interdisciplinares em Memória Social, v. 1, n. 1, 2002.

MEZARRI, S.; FROTA, P. R. O.; MARTINS, M. C. Feiras multidisciplinares e o Ensino de Ciências. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), Número Monográfico, p. 107-119, 2011.

MIGUET, P. A. A construção do conhecimento da educação. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MIRANDA, S. Educação: atividades lúdicas em sala de aula tornam o ensino mais fácil e atraente. Ciência Hoje, v. 28, n. 168. p. 64-66, 2001.

OLIVEIRA, CLAUDIO. TIC’S na educação: a utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Revista pedagogia em Ação: v.7, n.1, 2015. Disponível em: http://200.229.32.55/index.php/ pedagogiacao/article/view/11019/8864. Acessado em 15 de julho de 2019.

OLIVEIRA, M. I. B. et al. Uma proposta didática para iniciar o ensino de Histologia na educação básica. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 71-82, 2016.

PEDRANCINI, V. D.; CORRAZA-NUNES, M. J.; GALUCH, T. B.; MOREIRA, A. L. O. R.; RIBEIRO, A.C. Ensino e aprendizagem do Biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Electrônica de las Ciências, v. 6, n. 2, p. 299-309, 2007.

PEREIRA, C. R. S. Nanotecnologia e citologia: perspectiva do ensino de biologia para o século XXI. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

POSSOBOM, C. C. F.; OKADA, F. K.; DINIZ, R. E.S. Atividades práticas de laboratório no ensino de Biologia e de Ciências: relato de uma experiência. [São Paulo]: UNESP, [2007]. Disponível em:. Acesso em: 15 de julho 2019.

RAMOS, L. B.C.; ROSA, P. R. S. O. Ensino de Ciências: Fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ciências, v. 13, n. 3, p. 299331, 2008.

REZENDE, L. A. História das ciências no ensino de ciências: contribuições dos recursos audiovisuais. Ciência em tela, v. 1, n. 2, p. 1-7, 2008.

RIBEIRO, M. G. Inclusão sócio-educacional no ensino de ciências integra alunos e coloca a célula ao alcance da mão. In: Encontro de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

RIZZO, R. S., PANTOJA, L. D. M., MEDEIROS, J. B. L. P. e PAIXÃO, G. C. O ensino de doenças microbianas para o aluno com surdez: um diálogo possível com a utilização de material acessível. Revista Educação Especial. Santa Maria. v. 27. n. 50. p. 765-776. set./dez.

ROCHA, L. R. M., MORETTI, A. R., COSTA, P. C. F. e COSTA, F. G. Educação de surdos: relato de uma experiência inclusiva para o ensino de ciências e biologia. Revista Educação Especial. Santa Maria. v. 28 n. 52 p. 377-392. maio/ago. 2015.

SILVA, F. S. S.; MORAIS, L. J. O.; CUNHA, I. P. R. Dificuldades de Professores de Biologia em ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas do município de Imperatriz (MA). Revista UNI, Imperatriz (MA), v.1, n.1, p. 135-149, 2011.

SMITH, M. K., WOOD, W. B., ADAMS, W. K., WIEMAN, C., KNIGHT, J. K., GUILD, N., SU, T. T. Why peer discussion improves student performance on in-class concept questions. Science, v. 323. n. 5910, p. 122-124, 2009.

SOUZA, S. E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. Arq Mudi. 2007. 11(Supl.2):110-4.

VESALLIUS, A. De Humani Corporis Fabrica. São Paulo: Atelie, 2003.

VIVEIRO, A. A. Atividades de campo no ensino das Ciências: investigando concepções e práticas de um grupo de professores. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Programa de Pós-Graduação em Educação pra a Ciência, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2006.

Publicado

2019-12-11

Como Citar

Morin, V. L., & Lüdke, E. (2019). ENSINO DE HISTOLOGIA E ANATOMIA DO APARELHO REPRODUTOR FEMININO ATRAVÉS DE METODOLOGIAS ATIVAS COM ALUNAS DO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. Vivências, 16(30), 15-29. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.52

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO